- A informação que gera opinião!

Júri condena dois homens que cometeram homicídio em bar de Chapecó

Conselho de Sentença condenou réus a penas de 14 anos e de 16 anos e 4 meses de prisão por homicídio qualificado por dificultarem a defesa da vítima.

Por Redação

30 de junho de 2021

às 11:40

Compartilhe

 O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca da Chapecó condenou dois homens denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pelo homicídio de um homem em um bar.

 Em 8 de junho 2019, os réus Dyonathan Antonio Pereira Machado e Jorge Claudiomiro Venâncio mataram Alceni de Almeida com um golpe de faca nas costas em um bar em Chapecó. Os réus teriam pedido para que uma criança de 10 anos que estava com eles importunasse a vítima, que jogava sinuca, e, após as provocações da criança, os réus se aproximaram e em seguida atacaram Alceni.

 O Promotor de Justiça Átila Guastalla Lopes explica que a versão dos réus era de negativa de autoria, alegando não estarem presentes no interior do estabelecimento, bem como pelo fato de um adolescente de 13 anos arrolado pela defesa na fase de instrução ter assumido sozinho a autoria da facada, porém o Ministério Público sustentou que a versão do adolescente não era verdadeira e que existiam provas de autoria dos dois réus.

  Os réus foram condenados por homicídio qualificado – por dificultarem a defesa da vítima. Dyonathan Antonio Pereira Machado terá que cumprir pena de 16 anos e 4 meses de prisão e Jorge Claudiomiro Venancio, pena de 14 anos. Eles também foram absolvidos da imputação de corrupção de menores, tendo a acusação entendido que não havia prova suficiente do envolvimento da criança de 10 anos no crime de homicídio.

 O réu Jorge Claudiomiro Venancio permaneceu preso preventivamente durante o andamento do processo. Já Dyonathan Antonio Pereira Machado está foragido.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.