- A informação que gera opinião!

Júri condena homem que assassinou colega de trabalho

O crime teria acontecido após uma discussão por comida.

Por Redação

29 de julho de 2021

às 12:40

Compartilhe

 Um homem de 19 anos acusado de esfaquear um colega de trabalho após desentendimento sobre comida foi condenado a 12 anos de reclusão, em regime inicialmente fechado, em sessão do Tribunal do Júri realizada na comarca de Ituporanga.

 A sessão, presidida pelo juiz Marcio Preis, ocorreu no plenário da Câmara de Vereadores e respeitou todas as medidas de saúde relacionadas ao combate à Covid-19. Iniciado às 8h30, o julgamento encerrou por volta das 17h.

 O crime aconteceu em 31 de agosto de 2020, na localidade de Bela Vista. Colegas de trabalho, os envolvidos também dividiam moradia. O réu, segundo denúncia do Ministério Público, desferiu 11 golpes de faca nas regiões do pescoço, rosto, tórax e costas, com registro de lesões que causaram a morte da vítima.

 Segundo a denúncia, o homicídio foi praticado por meio cruel e motivo fútil – pois ocorreu após a vítima questionar o colega sobre não lhe ter deixado ovos fritos e sugerir que cada morador da residência, ocupada por trabalhadores rurais, contribuísse com a aquisição do alimento.

 O réu foi condenado por homicídio duplamente qualificado. Ele estava preso preventivamente desde setembro do ano passado no Presídio Regional de Rio do Sul. A decisão deste mês (16/7) transitou em julgado na última segunda-feira.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.