- A informação que gera opinião!

Júri popular para homem acusado de tentativa de feminicídio no oeste do Estado

O acusado está preso desde o ocorrido e o julgamento, no próximo dia 27, terá início às 9h.

Por Redação

23 de julho de 2021

às 12:40

Compartilhe

 A comarca de Concórdia realizará, na próxima terça-feira (27/7), sessão do Tribunal do Júri para julgar um homem acusado de tentativa de feminicídio contra sua ex-companheira, após desferir-lhe 23 facadas. Inconformado com o fim do relacionamento, o ex-marido aguardou que a mulher deixasse um restaurante no centro da cidade, pouco depois das 22 horas do dia 4 de fevereiro do ano passado, para atacá-la na rua com uma faca de churrasco.

 Com ferimentos na cabeça, costas, seios, abdômen e braços, ela ficou 18 dias internada em hospital, sete deles em coma, passou por três cirurgias e até hoje sofre com debilidade permanente na mão direita. O acusado está preso desde então e o julgamento, no próximo dia 27, terá início às 9h.

 Infelizmente, a história dessa concordiense não é fato raro. Um estudo recente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que uma em cada quatro mulheres sofreu algum tipo de violência no último ano. Essa triste realidade motivou a vítima do Oeste a fundar uma associação para ajudar outras mulheres a enfrentar e se livrar da situação.

 “A ideia é fazer eventos e palestras motivacionais, apoio entre mulheres, ajudar, entender, ouvi-las, encorajá-las, aplicar capacitação, treinamentos voltados à parte financeira. Temos advogada para orientações, palestras em escolas”, conta. Em função da pandemia de Covid-19, os atendimentos têm acontecido virtualmente pelo WhatsApp (49) 99999-1349. A vítima lembra que o apoio de terceiros poderia ter dado outro rumo a sua história. A mulher, de profissão contadora, hoje vive com a família em cidade do litoral catarinense.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.