- A informação que gera opinião!

Júri segue MPSC e condena a mais de 52 anos de prisão por seis crimes contra a vida

Réu invadiu festa de ano novo da família, matou um tio e tentou matar a avó e outros quatro familiares.

Por Redação

19 de agosto de 2021

às 14:00

Compartilhe

 Um julgamento que teve quase 13 horas de duração na Comarca de Pinhalzinho condenou um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pelo homicídio do próprio tio e outras cinco tentativas de homicídio, praticadas também contra familiares do réu. A sessão do Tribunal do Júri ocorreu na sexta-feira (13/8) e a pena supera os 52 anos de prisão em regime inicial fechado. Os crimes ocorreram em uma festa de ano novo no dia 31 de dezembro de 2017 e foram motivados por uma disputa por herança.

 A denúncia apresentada pela Promotoria de Justiça de Pinhalzinho relata que Natan Ogliari chegou em frente à festa familiar perto das 22h30 e descarregou uma pistola 9 mm contra os presentes, matando seu tio, Juarez Ogliari. Outros cinco familiares, entre eles a avó do criminoso, ficaram feridos. 

 Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu cometeu os crimes por desavenças entre seu pai e o tio assassinado, envolvendo a herança do avô e a responsabilidade pelos cuidados com a sua avó materna.

 Conforme o Promotor de Justiça Douglas Dellazari na sessão do Tribunal do Júri da Comarca de Pinhalzinho, Natan foi condenado pelo homicídio do tio e por cinco tentativas de homicídio, todos os crimes qualificados pelo motivo torpe e por utilizar recurso que não permitia a defesa das vítimas.

 Três das tentativas de homicídio, praticadas contra a avó e duas tias, foram qualificadas também por se tratar de feminicídio – característica dos crimes praticados contra a mulher no âmbito da violência doméstica ou familiar, quando a vítima mantém algum tipo de relação amorosa, emocional ou de parentesco ou dependência com o agressor.

 A pena total aplicada pelo Juízo do Tribunal do Júri foi de 52 anos e quatro meses de reclusão. A sentença é passível de recurso, mas o réu, que está preso preventivamente desde o crime, não poderá recorrer em liberdade.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.