- A informação que gera opinião!

Justiça autoriza projeto inovador de estímulo à leitura e à escrita para mulheres no cárcere

A decisão que autorizou a iniciativa é da juíza Paula Botke e Silva, da Vara de Execuções Penais da Comarca da Capital.

Por Redação

1 de setembro de 2021

às 12:20

Compartilhe

 As detentas do Presídio Feminino de Florianópolis terão um grande estímulo para investir no hábito da leitura e da escrita. A Justiça catarinense aprovou o projeto “Caixa Postal: Ateliê de Leitura e Escrita”, apresentado pelo próprio presídio, que permitirá às mulheres a remição da pena.

 O projeto consiste na troca de cartas entre as mulheres detidas e as idealizadas da ação, por meio de uma ‘caixa postal’, que levará livros para o ambiente institucional. Estas obras serão lidas e devolvidas, juntamente com a produção escrita das mulheres, com a interpretação da história, acrescida dos sentimentos e ideias que a leitura lhes proporcionou. Ou seja, é uma expansão do projeto “remição pela leitura”, no qual os apenados elaboram resenhas de obras, mas sem expressar opiniões ou sensações. 

 O instituto da remição permite reduzir o tempo de pena e proporciona qualificação pessoal e profissional. Na sentença, a magistrada lembrou que “a leitura traz conhecimento, diminui a ociosidade, contribui para a readaptação do preso ao convívio, além de reduzir a reincidência criminal” A juíza determinou que as cartas devolvidas pela apenadas não poderão ser lacradas e deverão passar pelo crivo da Administração Prisional, a fim de se averiguar eventual uso inadequado da via de comunicação.  As proponentes do projeto Caixa Postal são Rosi Isabel Bergamaschi Chraim, Dilma Beatriz Rocha Juliano, Yara Maria Moreira de Faria Hornke e Márcia Cattoi Schmidt.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.