- A informação que gera opinião!

Justiça mantém preso homem que matou cão e ameaçou a ex-companheira

O cachorro pertencia ao filho do casal.

Por Redação

6 de agosto de 2021

às 12:40

Compartilhe

 A prisão preventiva do suspeito de matar um cachorro a pauladas e ameaçar a ex-companheira foi decretada pelo juiz Alexandre Takaschima, titular da 2ª Vara Criminal de Lages, nesta quinta. O magistrado homologou o flagrante e decidiu manter o homem preso por ter supostamente cometido os crimes em Bocaina do Sul, na última quarta (4).

 O cachorro pertencia ao filho do casal. Depois de agredir o cão, o acusado bateu na porta da casa da ex-mulher ameaçando-a de morte. Ele fugiu do local e foi preso pela polícia em sua residência. Os fatos tiveram grande repercussão na região pela crueldade com o animal. O crime de maus-tratos contra animais domésticos teve a pena aumentada em setembro de 2020, que passou a ser de dois a cinco anos de reclusão, além de multa e proibição de guarda de animais.

 Sentença para outro homem

 Nesta semana, a Vara Criminal de Curitibanos, também na Serra catarinense, condenou um homem que matou o cachorro do vizinho com um tiro de espingarda porque ele estaria comendo os pintinhos que criava em sua propriedade.

 O crime ocorreu em 2013, antes da mudança na legislação que trata dos maus-tratos a animais domésticos. Neste caso, o juízo condenou o réu a três meses e 15 dias de detenção e 12 dias-multa. Como o acusado preencheu os requisitos legais, teve a pena privativa de liberdade substituída por restritiva de direitos e terá que pagar um salário mínimo a uma entidade social.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.