- A informação que gera opinião!

Justiça nega, mais uma vez, revogação de prisão preventiva do caminhoneiro que atropelou casal

Ministério Público demonstrou que não há fatos novos que justifiquem a revogação da medida privativa de liberdade do réu.

Por Redação

10 de agosto de 2021

às 13:40

Compartilhe

 A manifestação do Ministério Público contrária à revogação da prisão preventiva do caminhoneiro que atropelou um casal de motociclistas na BR-101, causando a morte da mulher, foi aceita pela Justiça, que negou o pedido feito pela defesa. A 8ª Promotoria se Justiça de Itajaí demonstrou que não houve fatos novos que justificassem que o réu fosse solto e, pela terceira vez após a denúncia por homicídio e tentativa de homicídio contra ele ter sido aceita, a 2ª vara Criminal da Comarca da Itajaí decidiu manter a medida cautelar.

 O Ministério Público reafirmou as condições que embasaram a prisão preventiva do réu e as circunstâncias que envolveram os crimes pelos quais ele foi denunciado. Os crimes resultaram na morte da mulher que estava na carona da motocicleta e quase mataram o piloto. Este foi arrastado por vários quilômetros, desacordado, sobre o veículo atingido enquanto o motorista do caminhão dirigia em alta velocidade na rodovia, sob efeito de drogas.

 “A repercussão negativa do crime perante o meio social e o clamor público que sua prática ocasionou também reafirmam a necessidade da prisão como meio de garantir a ordem pública (…) e vêm assistidas por razões concretas, que foram exaustivamente expostas e tornam imperiosa a manutenção da prisão cautelar do acusado”, reforçou a Promotora de Justiça Cristina Balceiro da Motta.

 A defesa do caminhoneiro também pediu à Justiça a realização de exame de insanidade e o Ministério Público não se opôs a essa solicitação, que foi atendida pelo Juízo da 2ª Vara Criminal.

 O caso ficou conhecido nacionalmente depois que as cenas do caminhão arrastando a moto com o piloto pendurado na porta do motorista, por mais de 20 quilômetros, viralizaram nas redes sociais e foram reproduzidas nos telejornais de todo o país.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.