- A informação que gera opinião!

Justiça suspende demolição da antiga prefeitura de Presidente Getúlio

A decisão atende a uma ação popular ajuizada por dois vereadores.

Por Redação

22 de junho de 2021

às 10:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O juízo da Vara Única da comarca de Presidente Getúlio determinou a suspensão imediata de qualquer intervenção voluntária que modifique, desfigure ou viole a estrutura do prédio da antiga Prefeitura Municipal, sob pena de multa de R$ 500 mil.

 Consta nos autos que no final do mês de maio houve início de demolição do antigo prédio histórico, sem qualquer consulta aos munícipes. Diante de seu valor histórico, foi postulada liminarmente a suspensão de qualquer medida que possa violar o prédio. “Há relevantes elementos indicativos de que o local onde era instalada a antiga sede da prefeitura de Presidente Getúlio – objeto da pretensão autoral – detém relevante valor histórico-cultural. Para tanto, basta verificar não apenas os antigos traços arquitetônicos do prédio, que por si sós já podem trazer importantes referências históricas, como também o fato de o imóvel estar em local central da cidade e ter ocupado, por décadas, a sede do Poder Executivo local”, cita o juiz Felipe Agrizzi Ferraço em sua decisão.

 O magistrado cita ainda que a intenção demolitória do município, se verídica, tem o potencial de atingir o patrimônio cultural da comunidade local. Ele ressaltou que não há ainda notícia de que o prédio pode gerar algum risco à comunidade.

 Além da imediata suspensão da demolição, o magistrado determinou que o ente público esclareça se há algum risco estrutural ao imóvel, hipótese em que deverá adotar, de imediato, as cautelas necessárias a fim de evitar lesão ou risco de lesão a outros direitos envolvidos, sem, contudo, demolir o prédio. Da decisão, prolatada no dia 31 de maio, cabe recuso.

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Valor inclui multas aplicadas em ação por ato de improbidade administrativa em virtude de fraude em dispensas de licitação.
Ela foi condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em cidade do Vale do Itajaí.
O Conselho de Sentença condenou os réus por homicídio duplamente qualificado por matarem mãe e filho carbonizados e por motivo fútil.