- A informação que gera opinião!

Justiçamento que fez três vítimas condena faccionados a penas somadas de 240 anos

Três de cinco pessoas condenadas receberam 80 anos de reclusão.

Por Redação

5 de agosto de 2021

às 10:20

Compartilhe

 Cinco pessoas foram condenadas em sessão do Tribunal do Júri da comarca de Joinville realizada na última terça-feira (3/8). O grupo era acusado do homicídio de duas vítimas e tentativa de homicídio de uma terceira, com as qualificadoras de motivo torpe, dissimulação e meio cruel.

 Três delas receberam pena privativa de liberdade de 80 anos de reclusão cada um, a ser cumprida no regime inicialmente fechado; de sete meses de detenção, a ser cumprida no regime inicialmente semiaberto; e pagamento de 20 dias-multa no valor de 1/30 do salário mínimo.

 Os outros dois acusados foram condenados ao cumprimento da pena privativa de liberdade de oito meses e quatro dias de detenção, a ser cumprida no regime inicialmente semiaberto; e ao pagamento de 22 dias-multa no valor de 1/3 do salário mínimo. A sessão de julgamento, que iniciou 9 horas da manhã e terminou às 23h45, foi presidida pela juíza Regina Aparecida Soares Ferreira.

 O crime

 De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), na tarde de 22 de janeiro de 2019 um dos acusados, integrante de uma facção criminosa, percebeu a presença de duas pessoas estranhas no seu bairro, em Joinville, e resolveu levá-las até os colegas para verificar a procedência.

 As vítimas foram indagadas sobre suas vinculações com organizações criminosas, tiveram mãos e pés amarrados e foram torturadas. A tortura foi, inclusive, gravada em vídeo e publicada em redes sociais. Depois, duas vítimas foram mortas com golpes de armas brancas, facas, facões, foices e machados (conforme exame cadavérico), e uma terceira foi socorrida e levada para tratamento em hospital.

 A motivação do crime foi torpe, por causa de desavenças envolvendo facções criminosas rivais. E o crime foi praticado por meio cruel, com as vítimas sendo torturadas e expostas a sofrimento desnecessário. Outras oito sessões de júri popular estão agendadas para o mês de agosto na Vara do Tribunal do Júri de Joinville. Os julgamentos ocorrem no Fórum do município, de forma híbrida (presencial e online). Não haverá presença de público externo.

 Nas sessões do Tribunal do Júri em que seja necessária a realização de forma presencial, somente terão acesso às salas de sessão e de audiência as partes, testemunhas, jurados, agentes de segurança, peritos, auxiliares da justiça, membros do Ministério Público, advogados e defensores públicos dos processos incluídos na pauta do dia, e os atos deverão ser realizados seguindo estritamente o protocolo definido pela Diretoria de Saúde.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.