- A informação que gera opinião!

Mais de 90% de idosos de 70 a 90 anos receberam as duas doses no estado

Esse número também permanece em destaque nos idosos de outras faixas etárias.

Por Redação

7 de julho de 2021

às 11:00

Compartilhe

 Mais de 90% dos idosos entre 70 e 90 anos já foram vacinados com as duas doses contra a Covid-19, no Estado. Os dados são apontados pelo Vacinômetro de Santa Catarina. Ao todo, 92,4% dos idosos com 70 a 74 anos já receberam tanto a primeira quanto a segunda dose do imunizante. Esse número também permanece em destaque nos idosos com 75 a 79 anos (91,3%) e naqueles com 80 a 84 anos (91,4%).

 A expectativa vacinal também ultrapassou o esperado. Na caso dos idosos institucionalizados, por exemplo, a estimativa passou em mais de 100%. O Estado tinha a expectativa de vacinar 6.259 pessoas, mas vacinou 7.566. Esses dados foram ainda maiores nos deficientes institucionalizados, superando as expectativas em mais de 200% – eram esperados 263 pessoas e se vacinaram 907.

 “É muito importante que a população tome a segunda dose e assim receba a imunização completa. A vacina salva vidas. A morte entre idosos imunizados com as duas doses caiu cerca de 75%, o que comprova a eficácia coletiva das vacinas, independentemente de marca”, frisou o governador Carlos Moisés.

 O secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, percebe que há um avanço na vacinação e que esse avanço reforça a certeza de que será cumprido o calendário vacinal contra o Coronavírus e será imunizada toda a população adulta até o último dia de agosto, conforme divulgado pelo governo.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.