- A informação que gera opinião!

MISTÉRIO: Após reportagem, prefeitura surpreende ao mexer em números de publicação oficial e valor de contrato polêmico fica R$ 1,14 milhão mais barato

Estranhamente, o custo original, de R$ 1,36 milhão, agora aparece reduzido para R$ 228 mil, ou seja, um valor cinco vezes menor.

Por Redação

9 de agosto de 2021

às 18:02

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Um fato intrigante, descoberto pelo Alto Vale Agora logo após a divulgação de uma reportagem no portal de notícias, dirige o foco de todas as atenções para a prefeitura de Taió (SC), no Alto Vale do Itajaí. Por lá, a alteração no valor de um contrato público fez desaparecer nada mais nada menos do que R$ 1,14 milhão.

 Publicação no Portal da Transparência sofreu alteração

O enigma veio à tona logo após a primeira matéria sobre o assunto, publicada no último dia 4 de agosto, que revelou um caso polêmico: a prefeitura taioense acabava de enterrar a iniciativa da municipalização do lixo da gestão passada – que previa custo zero e até lucros com o modelo – para recontratar o serviço da empresa DML Coleta e Transportes de Resíduos Ltda, de Otacílio Costa(SC), ao custo de R$ 1,36 milhão.

Porém, dois dias depois da repercussão da notícia, a surpresa. Em nova consulta aos dados no Portal da Transparência, o mesmo documento público (contrato superior 34/2021; licitação 53/2021) havia sido alterado. E o mesmo campo do formulário (“valor inicial do contrato”), agora, já trazia o custo reduzido para R$ 228 mil, ou seja, apenas 16,7% do montante original ou, se preferir, cinco vezes menor.

Nossa equipe registrou em fotos o “antes” e o “depois” da dança dos números do contrato.

 Novo custo surpreendente, mas detalhes iguais

O período de vigência do negócio firmado permanece o mesmo: 12 meses (01/08/2021 a 01/08/2022).

O anexo, que traz os detalhes do contrato de prestação de serviço, mantém o custo de “R$ 380,00 por tonelada”.

O espaço final do documento também apresenta os mesmos nomes para as assinaturas: “Horst Alexandre Purnhagem – prefeito”, “DML Coleta e Transportes de Resíduos Ltda”, “Carlos Cava e Elves Johny Schreiber – testemunhas” e “Emerson de Figueredo – OAB-SC 47.288”.

 Vereadores, quem mexeu e por quê mexeu?

Antes de o preço ser alterado no Portal da Transparência, o contrato apresentava valor de R$ 1,36 milhão. Dividindo esse total por 12 meses – que é o período de vigência do documento – chega-se a um custo mensal de R$ 114 mil. Portanto, o valor do contrato mexido – para R$ 228 mil – representaria o custo correspondente a apenas dois meses de prestação do serviço.

Ainda assim, a alteração de valores de um contrato público – que fez sumir R$ 1,14 milhão – levanta suspeitas.

Como a prefeitura não tem um profissional de imprensa específico para responder dúvidas, fica a dica para algum vereador atento fazer a pergunta, na noite desta segunda-feira (9), na sessão da Câmara de Vereadores de Taió.

O espaço no portal Alto Vale Agora, claro, estará garantido para os devidos esclarecimentos à população.

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.