- A informação que gera opinião!

MPSC denuncia dois homens por injúria racial contra influencer negro em Camboriú

Os dois denunciados utilizavam as redes sociais para ofender a dignidade da vítima por elementos referentes a raça e a cor, além de ameaçá-la de morte.

Por Redação

5 de agosto de 2021

às 13:20

Compartilhe

 O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) apresentou, nesta terça-feira (3/8), denúncias à Justiça contra dois homens por injúria racial em Camboriú. Os dois são acusados de proferir ofensas raciais nas redes socias contra uma vítima e ameaçá-la de morte. 

 As denúnciaS feitas pela Promotora de Justiça Greicia Malheiros da Rosa, titular da 3ª Promotoria de Justiça de Camboriú, relatam uma série de ofensas que teriam sido proferidas pelos dois denunciados contra a dignidade da vítima – um influencer digital negro – utilizando elementos referentes a raça e a cor. Além das ofensas, as denúncias também relatam supostas ameaças de morte contra a vítima e a mãe dela.

 Para a Promotora de Justiça, os dois homens teriam cometido os crimes de injúria com a utilização de elementos referentes a raça e cor, cuja pena é de um a três anos de prisão, e de ameaça, que tem pena de um a seis meses de detenção. A denúncia aguarda o recebimento pelo Poder Judiciário. Somente após o recebimento os denunciados passam a ser réus em ações penais.

 “O Ministério Público tem o dever de agir para coibir esse tipo de conduta criminosa. Muitos criminosos acreditam que podem se esconder atrás de perfis falsos, mas é importante destacar que hoje é possível identificar a origem dos ataques, como nesse caso. A internet não é terra sem lei. É importante que as vítimas registrem a ocorrência, a fim de que os órgãos de fiscalização possam atuar de maneira firme, visando a identificar e punição dos autores das ofensas”, ressalta a Promotora de Justiça.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.