- A informação que gera opinião!

Mulher que facilitava encontros com a filha e autor de abusos são condenados

O homem pagava em espécie ou comprava alimentos, gás, roupas, presentes e outros objetos para a mãe da vítima de oito ano

Por Redação

14 de setembro de 2021

às 09:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O juízo da 1ª Vara Criminal da comarca de Blumenau, no Vale do Itajaí, condenou a 37 anos de reclusão uma mulher que submetia à prostituição a filha de oito anos, promovendo e facilitando encontros com um idoso. O autor dos abusos foi condenado a 24 anos, cinco meses e 10 dias de reclusão. As penas são em regime inicial fechado.

 Segundo denúncia do Ministério Público, após os atos libidinosos praticados entre 2020 e 2021, o homem pagava em espécie ou comprava alimentos, gás, roupas, presentes e outros objetos para a mãe da vítima. Ele também teria praticado atos sexuais com a criança sem o uso de preservativos. Os abusos ocorriam na residência da vítima e do réu, enquanto a mãe aguardava o ato.

 Após denúncia anônima, fotografias e vídeos dos atos praticados contra a menina foram localizados no celular do homem. Ele foi condenado pelos delitos de estupro de vulnerável; de filmar cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente; bem como de armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro com cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente.

 Aos réus foi negado o direito de recorrer em liberdade, uma vez que suas prisões ainda são necessárias para a garantia da ordem pública. Os dois foram presos preventivamente em março deste ano, em Blumenau. A decisão do juiz Eduardo Passold Reis foi prolatada nesta sexta-feira (10/9) e é passível de recurso. O processo tramita sob sigilo.

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Foi julgada inconstitucional lei complementar de município do sul do Estado.
O julgamento iniciou às 8h30min de quarta-feira (15/9) e encerrou às 2h45min desta quinta-feira (16).