- A informação que gera opinião!

Município gastará quase R$ 30 mil para 45 dias de propaganda em TV, rádios e outdoor

RBA TV receberá maior valor: R$ 20 mil. VCR Comunicação Visual ganhará R$ 3,4 mil. Rádio Difusora, R$ 2 mil. E Rádio Mirador, R$ 1,4 mil. Publicidade tenta atrair moradores para uso de 0800 de empresa que atua fora do município. TopMed Saúde presta serviço do programa “Alô Saúde Rio do Sul”. Valor pago à contratada é desconhecido. Teleatendimento, que também promete respostas a dúvidas sobre Covid, foi disponibilizado no município cerca de dois anos depois do início da pandemia, época em que o número de casos da doença já havia caído.

Por Redação

17 de fevereiro de 2022

às 07:00

Compartilhe

 A secretária de Saúde de Rio do Sul (SC), Roberta Hochleitner, autorizou gastos de R$ 27.055,00 para a prestação de serviços de publicidade e propaganda, por 45 dias, do programa de teleatendimento “Alô Saúde”. Os quatro contratos, na modalidade de dispensa de licitação, foram firmados com uma TV, duas rádios e uma empresa de outdoor do município.

 A maior fatia da verba publicitária foi abocanhada pela RBA TV: R$ 20.075,00. Segundo o acordo, a emissora deverá fazer 73 inserções de 30 segundos. Cada veiculação tem custo anunciado de R$ 275,00.   

 O pagamento acertado com a VCR Comunicação Visual Ltda é de R$ 3.430,00. A contratada deverá fazer a “impressão e colagem de outdoor por bi semana”. São 7, no valor unitário de R$ 490,00.

 A Rádio Difusora Alto Vale Ltda deverá fazer 25 inserções de 30 segundos cada. O custo unitário é de R$ 83,00 e o total a ser pago à emissora é de R$ 2.075,00.

 Por fim, o menor valor ficou com a Rádio Mirador Ltda: R$ 1.475,00. As informações publicadas no Portal da Transparência trazem apenas um resumo deste contrato de prestação de serviços. O documento não diz nem quantas inserções a emissora deverá fazer para cumprir o acordo.

 Os contratos assinados também não deixam claro se as peças publicitárias virão prontas, ou se terão que ser elaboradas ou finalizadas pelos veículos de comunicação.

 Mais de dois anos depois…

 A propaganda do programa “Alô Saúde Rio do Sul” ocorre mais de dois anos depois do início da pandemia de Covid-19 e em meio à variante ômicron, menos agressiva, segundo especialistas.

 As primeiras entrevistas do prefeito José Thomé (PSD) e da secretária de Saúde Roberta Hochleitner, encontradas sobre o assunto na internet, datam de outubro e novembro do ano passado, período em que o pico de casos já havia caído.

 No entanto, o atendimento remoto “não [é] só para Covid, mas para gripe, resfriado e surtos” eventuais de outras doenças, destacou Thomé quatro meses atrás.

 Apesar de ser “grátis” para a população – exigindo apenas que a pessoa esteja ativa no Sistema Único de Saúde (SUS) -, os gestores públicos municipais nunca esclareceram os termos de pagamento e quanto a prefeitura repassa à empresa contratada pela execução do serviço.

 Também não foi informado se há número limitado de linhas disponíveis para atender a demanda do projeto.

 A reportagem do portal Alto Vale Agora encaminhou diversas perguntas ao executivo. A assessoria de imprensa pediu prazo de 3 dias para responder. Assim que houver retorno sobre a solicitação, informaremos.

 “Alô Saúde Rio do Sul”

 O programa “Alô Saúde Rio do Sul” funciona em regime de plantão pelo número 0800 888 3090.

 Apesar de levar o nome do município no projeto, a central que atende as ligações fica fora da cidade.

 As chamadas são direcionadas à TopMed Assistência à Saúde Ltda, serviço de atendimento remoto que aparece sediado em São José (SC).

 Segundo a contratada, o quadro de atendentes é composto por enfermeiros e técnicos de enfermagem.

 A empresa anuncia no seu site oferta de serviço pré-clínico e de orientação sobre Covid e saúde em geral “através de ligação, chat online e videochamada pelo aplicativo”.

(Atenção: As reportagens do Alto Vale Agora refletem o olhar que o cidadão pode ter das ações públicas a partir das informações disponibilizadas nos Portais da Transparência. O serviço é determinado por força de lei. As instituições públicas estão obrigadas a publicar, em meio eletrônico e em tempo real, os dados pormenorizados sobre a execução orçamentária e financeira de suas receitas e despesas. Contratos e licitações, por exemplo, devem aparecer de forma clara e completa. Infelizmente, muitas vezes, a norma é desrespeitada. Ainda assim, nossa equipe deixa espaço aberto para as assessorias de imprensa que queiram esclarecer eventuais questões que lhes pareçam inconvenientes em textos referentes à instituição que defendem.)

 (Contrato Superior: 002/2022/FMS; Dispensa de Licitação: 7/2022 | Contrato Superior: 001/2022/FMS; Dispensa de Licitação: 6/2022 | Contrato Superior: 003/2022/FMS; Dispensa de Licitação: 8/2022 | Contrato Superior: 004/2022; Dispensa de Licitação: 9/2022)

 Fonte: Redação

Últimas notícias

Canetada tinha “atualizado” auxílios de custo de viagens dele, do vice e de secretários, mas pegou mal - e pressão fez político recuar.
Estratégia pretendia apresentar defesa no caso de uma fábrica denunciada por mau cheiro e barulho, mas ‘o tiro saiu pela culatra’.
Novidade chegou para facilitar o fim da poeira e da lama – com custo bem menor – e já virou modelo em municípios da região que se inspiraram no amplo...