- A informação que gera opinião!
Vacina, vacinação

“Não vacile, vacine!” é a campanha do Judiciário de SC pela vacinação de toda a sociedade

A orientação é para que todos tomem a vacina quando chegar a sua faixa etária.

Por Redação

28 de junho de 2021

às 13:20

Compartilhe

 Para enfatizar a importância e a necessidade da vacinação em toda a sociedade, o Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC) lançou a campanha “Não vacile, vacine!”. A diretora de Saúde do Judiciário de SC, médica Graciela de Oliveira Richter Schmidt, afirmou que já foi vacinada porque é a melhor maneira de proteger-se contra a pandemia da Covid-19. A orientação é para que todos tomem a vacina quando chegar a sua faixa etária. Na maioria das fabricantes, a vacinação humanizada é concluída somente com duas doses.

 A médica lembrou que os efeitos colaterais não são nem próximos dos problemas encontrados com a doença, que pode levar à morte. “A vacina é um dos maiores avanços da ciência médica contra as doenças virais. Juntos, unidos e vacinados e obedecendo aos protocolos de saúde, formamos uma barreira sanitária contra o coronavírus. Não vacile, vacine!”, anotou o presidente do PJSC, desembargador Ricardo Roesler.

 O vídeo institucional ainda conta com a participação da juíza de direito Cândida Inês Zoellner Brugnoli. A magistrada destacou que a vacinação é mais do que um ato de amor ao próximo. “Além de ser um ato de amor e de altruísmo, é uma questão de consciência coletiva. Pois se eu cuido de mim, eu cuido do outro”, disse na mensagem. Já o chefe da secretaria do Fórum Central da Capital, José Claudio Passamani, lembrou que pretende voltar a abraçar a família e a trabalhar sem medo, agora que foi vacinado.

 Busque informações na Secretaria de Saúde do município de sua residência para tomar a vacina na data correta. “Não vacile, vacine!” 

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.