- A informação que gera opinião!

Pague quase TRÊS, mas receba só UMA!

Mais enrolada que novela, obra de Ponte Estaiada, finalmente, ganha novo contrato para retomada dos serviços. Porém, com prejuízos ao contribuinte. Entraves fizeram custo inicial de R$ 479 mil disparar para quase R$ 1,3 milhão.

Por Redação

8 de setembro de 2021

às 15:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Com um histórico problemático que inclui atraso no cronograma, obras paralisadas, divergências políticas e prejuízo aos cofres públicos, a prefeitura – finalmente – contratou a empresa que deverá construir a “obra remanescente” da tão aguardada ponte de acesso à Praça Central, a popular “passarela estaiada”, que ligará os bairros Victor Konder e Centro sobre o Rio Itajaí do Oeste, em Taió, no Alto Vale do Itajaí (SC). Porém, o custo da estrutura já é 2,7 vezes maior do que o valor inicial da obra.

 Há três anos, quando o convênio de construção foi assinado, o preço era de R$ 479 mil. Após a paralisação dos trabalhos, agora, com o novo acordo firmado no início deste mês pelo prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB), a despesa com a construção da travessia disparou para R$ 1.296.869,49.

 Resumindo: com esse volume de dinheiro, a prefeitura poderia construir quase três passarelas estaiadas iguais para pedestres e ciclistas usufruírem em diferentes pontos da pacata cidade do Vale Oeste. Mas, no final, os contribuintes receberão mesmo apenas uma.

 Novo prazo

 A empresa vencedora da licitação, única concorrente que aparece no Portal da Transparência, é a “Net Steel S.A. Indústria Metalúrgica”, com sede em Lontras (SC).

 O contrato tem vigência inicial em 1° de setembro de 2021 e término em 31 de maio de 2022. Já o “prazo de execução será de 05 (cinco) meses, de acordo com o cronograma da obra, iniciando com a emissão e entrega da Ordem de Serviço”.

 Portanto, de acordo com o novo calendário, a conclusão dos trabalhos poderá levar mais 9 meses. Claro, se não houver nenhum novo capítulo surpresa na conturbada “novela”…

 Câmera lenta

 O sonho de ver pronto o “cartão postal” de Taió, cidade com pouco mais de 18 mil habitantes, já dura 14 anos.

 A obra da ponte estaiada foi idealizada em 2007 durante a gestão do prefeito José Goetten de Lima, o “Zeca Goetten”, que morreu aos 45 anos, vítima de infarto, em 19 de agosto de 2010.

 No entanto, a assinatura do convênio para a construção aconteceu apenas oito anos depois, no início de setembro de 2018, durante a gestão do prefeito Almir Reni Guski (PSDB).

 A expectativa mais recente para a conclusão dos trabalhos, que era fim do ano passado, acabou frustrada com a paralisação das obras.

 Inicialmente, a obra tinha custo de R$ 479 mil. A maior parte, quase R$ 461 mil, repassada pelo Ministério do Turismo, representado pela Caixa Econômica Federal (CEF). O restante, R$ 18 mil, era a contrapartida financeira da prefeitura.

 Estrutura do “cartão postal”

 A ponte estaiada de Taió ligará a Praça Prefeito João Machado da Silva ao bairro Victor Konder, atravessando o Rio Itajaí do Oeste.

 De acordo com o projeto, a travessia terá pilares de concreto e estrutura metálica. Serão 77,6 metros de extensão por 2,5 metros de largura e 11 metros de altura. A obra contempla ainda mirante e iluminação especial.

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Dirigindo no conforto da ‘nave’ paga pelo povo, agora, Cesar Panini, talvez, poderá enxergar melhor – através dos grandes vidros do luxuoso SUV zero km - que a crise enfrentada pelos trabalhadores só cresce na pandemia.
Imagem que viraliza na internet mostra prefeito e seis vereadores em banquetaço - aglomerados, sem máscara, sorridentes e com suas barrigas salientes. Grupo custa mais de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos durante mandato.