- A informação que gera opinião!

Pai que tentou matar filha de um mês é condenado pelo TJ de Joinville

O homem foi condenado a 26 anos e 8 meses de prisão por tentativa de homicídio triplamente qualificado.

Por Redação

6 de agosto de 2021

às 11:20

Compartilhe

 Um homem denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por ter tentado matar a filha de um mês de vida foi condenado nesta quinta-feira (5/8) em sessão do Tribunal do Júri em Joinville.

 Conforme a denúncia da 23ª Promotoria de Justiça da Comarca de Joinville, o réu rejeitava e desprezava a filha desde o nascimento. Em 12 de março de 2020, o homem agrediu a filha de um mês de vida com tapas e socos na cabeça. Ele aproveitou que a mãe da criança não estava no quarto para tentar matar a bebê.

 A mãe tentou buscar imediatamente socorro médico, mas foi impedida pelo réu. O que agravou o estado de saúde da criança. A bebê foi levada ao hospital, passou por cirurgia e sobreviveu. Ela sofreu diversas lesões cerebrais.

 Segundo os relatos, o homem era agressivo com a mulher e as filhas e já havia agredido a bebê antes. Um laudo pericial constatou que a bebê já tinha lesões anteriores ao crime.

 O Promotor de Justiça Marcelo Sebastião Netto de Campos ressalta que o réu tinha histórico de agressões e abusos contra a mãe da vítima. “O réu, por ciúmes, chegou a cortar os longos cabelos da esposa grávida de 8 meses. Depois do nascimento da filha a rejeição era tamanha que chegou a quebrar as costelas da bebê muito antes das agressões que causaram o trauma craniano, pois os exames demonstraram que as fraturas eram antigas”.

 O Conselho de Sentença considerou o réu culpado pelo crime de tentativa de homicídio triplamente qualificado – por motivo torpe, uso de meio cruel e por impossibilitar a defesa da vítima. O homem terá que cumprir a pena de 26 anos e 8 meses de prisão em regime inicial fechado e não poderá recorrer em liberdade.

 A decisão é passível de recurso.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.