- A informação que gera opinião!

Pena de 10 anos a empresário que atirou em sócio por desavenças nos negócios

O crime aconteceu em 30 de abril de 2019.

Por Redação

3 de agosto de 2021

às 10:20

Compartilhe

 Um homem de 49 anos foi condenado a 10 anos de reclusão, em sessão do Tribunal do Júri na comarca de Forquilhinha, por tentativa de homicídio praticada contra seu sócio em empresa local. O crime aconteceu em 30 de abril de 2019, durante o dia, no centro da cidade-sede da comarca.

 Segundo a denúncia, o réu discutiu com a vítima, seu sócio em duas empresas, e saiu do local de carro para retornar armado. Ele teria desferido um tiro contra o homem, que foi atingido no abdômen, mas acabou prontamente atendido por serviços médicos. O acusado fugiu do local de carro.

 Na sessão, presidida pelo juiz substi​tuto Guilherme Costa Cesconetto, o Conselho de Sentença reconheceu que a tentativa de homicídio foi cometida por motivo fútil, decorrente de desacordos na sociedade comercial existente entre ambos, e resultou em perigo comum, por um funcionário estar próximo da vítima no momento do disparo e pela proximidade de estabelecimentos comerciais, além de veículos e transeuntes.

 Além da tentativa de homicídio duplamente qualificado, o réu também foi condenado pelo crime de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido. A pena será cumprida em regime inicial semiaberto. Cabe recurso da decisão ao TJSC.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.