- A informação que gera opinião!

População de 30 anos ou mais pode ser vacinada em Rio do Sul

Agendamento da imunização contra a Covid-19 deve ser feito direto no bairro onde a pessoa reside.

Por Redação

17 de agosto de 2021

às 11:40

Compartilhe

 O morador de Rio do Sul que tem 30 anos ou mais e ainda não foi vacinado contra a Covid-19, já pode procurar uma unidade de saúde mais próxima de casa para realizar agendamento da aplicação. Caso more em bairros sem o atendimento, pode ir à Policlínica, que fica na rua Tuiuti. No Centro. É importante ficar atento ao horário de funcionamento de cada unidade.

 Em Rio do Sul, em torno de 5.4 mil pessoas de 30 a 39 anos já receberam pelo menos a primeira dose da vacina, mas este número pode ser ainda maior pois não contabiliza pessoas que fazem parte de outros grupos, como profissionais de saúde, educação, indústria, motoristas ou portadores de comorbidades também com esta faixa de idade.

 É importante que mulheres grávidas, lactantes ou que tiveram bebê recentemente, informem sua condição na unidade de saúde no momento do agendamento, pois há vacinas que não são recomendadas para este público.

 Para fazer o agendamento, é preciso levar documento de identidade, CPF ou o cartão nacional do SUS.

 O cidadão de 29 anos ou menos não será contemplado neste momento nas unidades de saúde, mas estão ocorrendo cadastramentos para imunização em Drive-Thru. Uma nova rodada de cadastramentos deve ser aberta durante esta semana.

 Locais de vacinação e horários de atendimento

Policlínica – Centro

Horário: Das 8h às 15h30

Para moradores dos bairros: Jardim América, Centro, Sumaré e Itoupava

Unidades de saúde nos bairros

Atendimento das 7h30 às 11h30 e das 13h às 17h

 Informações sobre a vacinação contra a Covid-19 em Rio do Sul: https://bit.ly/painelvacinariodosul

Fonte: Departamento de Comunicação, Prefeitura de Rio do Sul

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.