- A informação que gera opinião!

Postos são autuados e baixam preços de combustíveis em fiscalização conjunta

Operação ocorreu na tarde de quinta-feira e quatro postos da Capital foram autuados.

Por Redação

13 de setembro de 2021

às 12:40

Compartilhe

 Operação conjunta do Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO) do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), do PROCON/SC, da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) e da Polícia Civil em postos de combustíveis da Grande Florianópolis, na tarde desta quinta-feira (9/9) resultou na autuação de quatro postos de combustíveis.

 De acordo com o Coordenador do CCO, Promotor de Justiça Eduardo Paladino, nos quatro postos foram verificados aumentos de 10 a 30 centavos por litro de gasolina e a partir da fiscalização eles voltaram a praticar os mesmos preços de antes do bloqueio.

 “Mesmo tendo voltado aos preços anteriores, por um período praticaram valores que podem ser considerados abusivos. Assim, foram autuados administrativamente pelo PROCON e instaurado inquérito policial para apurar possível crime contra a economia popular”, informa Paladino.

 A operação foi uma resposta às denúncias feitas por consumidores ao PROCON/SC e aos PROCONs municipais e às notícias veiculadas pela imprensa e nas redes sociais que informavam o aumento repentino de preços nos combustíveis que estaria ocorrendo devido ao bloqueio das estradas pelo movimento de paralisação dos caminhoneiros.

 O Coordenador do CCO acrescenta que de todos os postos fiscalizados em Florianópolis, São José e Santo Amaro da Imperatriz, apenas os quatro ainda possuíam combustível à venda no momento da operação. “Nosso objetivo principal, que era cessar a prática de preços abusivos, foi alcançado”, completa o Coordenador do CCO.

 Fonte: MPSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.