- A informação que gera opinião!

Prefeitura gasta R$ 22 mil em compra de drone

Equipamento foi adquirido sob justificativa de auxiliar em ações ambientais.

Por Redação

30 de julho de 2021

às 18:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 De serviços de entrega a resgates, o mundo assiste ao avanço do uso de drones por toda a parte. Denominados de Veículo aéreo não tripulado (VANT) ou aeronave remotamente pilotada, esses equipamentos parecem encantar cada vez mais também gestores públicos por conta das suas mil e uma utilidades.

 Prova disso é que a prefeitura de Rio do Sul (SC), no Alto Vale do Itajaí, por exemplo, comprou um drone. A aquisição foi realizada por meio de pregão eletrônico. O contrato de compra foi assinado em 26 de janeiro de 2021, mas quase passou despercebido pela mídia local.

 De acordo com o sistema de publicação de gastos do município, trata-se da “AQUISIÇÃO DE DRONE PARA ATENDER AS NECESSIDADES DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE”, do fornecedor “NW DRONES COMÉRCIO E MANUTENÇÃO DE DRONES LTDA” e apresenta “custo inicial do contrato” de R$ 22.055,00. Os documentos públicos em torno do negócio não informam detalhes como o modelo e os recursos oferecidos pelo equipamento.

 Uma rápida pesquisa em busca de preços de drones no Google mostra valores entre R$ 999,00 (“Drone L900 Pro: câmera 4K, full hd duas câmeras, com GPS, 5G, Wi-fi, transmissão em tempo real, motores brushless, alcance remoto de 1,2 Km, drone profissional com case”) e R$ 10.999,00. Este último é o modelo “Mavic Air 2 Fly More Combo DJI, com Câmera 4K – Controle Remoto Cinza”. Em outro site, o mesmo aparelho é oferecido por R$ 8.549,50.

 Você tem a impressão de que o poder público sempre gasta mais do que se a gente fosse comprar um produto ou os governos são exemplo de administração eficiente do nosso dinheiro?

 Imagem: Ilustrativa

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.
Dirigindo no conforto da ‘nave’ paga pelo povo, agora, Cesar Panini, talvez, poderá enxergar melhor – através dos grandes vidros do luxuoso SUV zero km - que a crise enfrentada pelos trabalhadores só cresce na pandemia.
Imagem que viraliza na internet mostra prefeito e seis vereadores em banquetaço - aglomerados, sem máscara, sorridentes e com suas barrigas salientes. Grupo custa mais de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos durante mandato.