- A informação que gera opinião!

Processo com mais de 10 anos de tramitação é solucionado através da conciliação

O processo exigiu o engajamento dos presentes no ato conciliatório.

Por Redação

12 de agosto de 2021

às 12:40

Compartilhe

 Após 10 anos de tramitação judicial, um processo que estava em fase recursal é extinto através da conciliação. O processo tratava de ação revisional de compra e venda de um apartamento em Florianópolis e foi encaminhado ao Programa de Conciliação e Mediação de 2º Grau a pedido do advogado de uma das partes.

 A conciliação foi intermediada pelo facilitador Roberto Teixeira Faustino da Silva, que possui larga experiência na área e anos de atuação na resolução consensual de conflitos.  A sessão durou cerca de duas horas e ocorreu no formato virtual, através da ferramenta PJSC Conecta.

 O processo exigiu o engajamento dos presentes no ato conciliatório. Advogados, partes e conciliador, juntos, debateram os detalhes da negociação, que alcançou o valor de R$ 125 mil

 O facilitador, que não é formado em Direito, contou com o auxílio dos advogados para redação do termo da audiência, que foi homologado no final do mês de julho pelo relator do recurso de apelação interposto.

 “A conciliação proporciona o contato mais próximo entre as partes e seus advogados, humanizando o processo. No caso, após longa negociação alcançamos êxito num conflito que tramitava dentro do Poder Judiciário há mais de 10 anos. Certamente uma vitória para todos os envolvidos e para a sociedade, que sempre se beneficia das técnicas e métodos consensuais de solução de conflitos”, comentou o conciliador Faustino. ​

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.