- A informação que gera opinião!

SAMU de Taió registra aumento gradativo de atendimentos na região

Municípios vizinhos não têm cumprido com acordo para manutenção e custeio da unidade em Taió.

Por Redação

14 de julho de 2021

às 10:20

Compartilhe

 O coordenador regional da unidade do SAMU em Taió, Orli Junior participou da sessão da Câmara de Vereadores de Taió. Ao utilizar a tribuna livre ele destacou a atuação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, a forma de atendimento pela central de médicos reguladores, média de atendimentos, além de frisar que os municípios vizinhos não têm cumprido com o acordo firmado em 2006 de cooperação para a manutenção da unidade.

 A média de atendimentos tem crescido gradativamente há dois anos, desde que a unidade foi transferida para usar o espaço compartilhado do Quartel do Corpo de Bombeiros Militar em Taió. Em 2019 foram 574 atendimentos, em 2020 o número de atendimentos subiu para 647, neste ano já foram 406 atendimentos até o fim de junho. Em 42% dos casos os pacientes são medicados e liberados em casa, em 36% eles são conduzidos ao Pronto Atendimento e nos 22% restantes os pacientes são liberados no local, por não se tratar de caso de urgência.

 A unidade do SAMU de Taió foi instalada em 2006 e é responsável por atender sete municípios, além da sede, os atendimentos são prestados em Salete, Rio do Campo, Santa Terezinha, Pouso Redondo, Mirim Doce e Braço do Trombudo.

 O coordenador regional destacou que os demais municípios não têm cumprido com o acordo firmado na instalação do SAMU. “Hoje Taió banca sozinho os outros municípios, ninguém mais ajuda e lá em 2006 quando foi fechado esse acordo com os sete municípios, foi acordado que seria repassado o valor de R$ 0,34 por habitante”, destacou Junior.

 Atualmente o Governo Federal repassa via Ministério da Saúde R$ 13.600,00 por mês para a manutenção da unidade do SAMU em Taió, o restante é bancado pelo Município sede, inclusive toda a medicação utilizada nos atendimentos.

 O coordenador reconhece a dificuldade dos demais municípios na colaboração, mas sugere que contribuam ao menos com a medicação utilizada nos atendimentos realizados nos respectivos municípios. “Quando você atende um paciente com parada cardiorrespiratória você usa entre 10 e 15 ampolas de adrenalina, o custo chega tranquilamente a R$ 500 com pessoal, deslocamento e combustível. Nada mais justo que o Município devolvesse o que foi utilizado pelo seu paciente”, indicou.

 As informações prestadas repercutiram na sessão. O vereador Aroldo Peicher Junior ‘Peixinho’ lembrou das tentativas anteriores de participação dos demais municípios. “O ex-prefeito Ademar Dalfovo tentou cobrar em 2009 dos municípios vizinhos e não teve êxito. A gente vê a dificuldade do Executivo municipal de estar acionando os outros municípios”, disse.

 O vereador Eder Ceola, que foi autor do convite ao SAMU para uso da tribuna livre, lamentou a situação. “Eu vejo muitos gestores deixando o SAMU de lado, isso é muito triste”, falou.

 O vereador Joel Sandro Macoppi destacou que a Administração de Taió deve fazer novas tentativas de acordo para auxiliar no custeio da estrutura. “Está mais que na hora de chamar os demais prefeitos e fazer cumprir aquilo que foi acordado em 2006 e exigir dos Municípios”, finalizou.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Foi um ‘tiro no pé’. Ao barrar os vereadores, líderes da ADAS colhem tempestade de críticas não apenas por desabonar autoridades públicas, mas também devido à suposta fome de lucros e por descaracterizar a verdadeira essência de um dos eventos mais tradicionais de Salete (SC).
Eder ‘pediu a cabeça’ de Rozi em sessão da Câmara de Vereadores de Taió (SC). Pivô da discórdia é médico credenciado que já faturou quase R$ 1,4 milhão no município. Veja!