- A informação que gera opinião!

Santa Catarina e BNDES avançam no projeto de concessão das Unidades de Conservação do estado

O contrato junto ao BNDES tem prazo de 24 meses e ao final espera-se a efetivação de concessões nas unidades de conservação que apresentarem viabilidade econômica.

Por Francieli Dalpiaz

28 de junho de 2021

às 09:24

Compartilhe

 Preservação ambiental, turismo sustentável, geração de renda e desenvolvimento regional são os focos do Programa de Estruturação de Concessões de Unidades de Conservação. Pelo contrato firmado entre o Instituto do Meio Ambiente (IMA) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com a interveniência da SC Participações e Parcerias S.A. (SCPAR), o projeto avança para concretizar ações em torno do ecoturismo em Santa Catarina.

 O Programa vai atuar em nove estados brasileiros e em 34 Unidades de Conservação. Entre elas estão previstas cinco catarinenses, sob a administração do IMA. São elas: Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis; Parque Estadual da Serra Furada, em Orleans; Parque Estadual Fritz Plaumann, em Concórdia; Parque Estadual Rio Canoas, em Campos Novos; e Parque Estadual Acaraí, em São Francisco do Sul.

 A parceria com o BNDES possibilita a realização dos estudos e diagnósticos para embasar licitações a concessionárias que ficarão responsáveis pela estruturação e operação do turismo nas Unidades. Cabe ao BNDES a contratação dos estudos para a definição da modelagem econômica-financeira para concessões nos Parques e o apoio e acompanhamento nas licitações conduzidas pelo estado.

 “Esse tipo de parceria é muito importante para o estado. Traz agilidade e eficiência para obras e ações que aceleram o desenvolvimento. O turismo já responde por uma fatia expressiva do PIB catarinense e com esse projeto poderemos avançar ainda mais na oferta de opções e na qualidade do atendimento ao público, seja ele do próprio estado, de outras partes do Brasil e até do exterior”, afirma o governador Carlos Moisés.

 Entre as ações que as concessionárias deverão implementar nos Parques destacam-se investimento em estruturas de atendimento, como centros de visitantes, trilhas, banheiros e estacionamentos; revitalização, modernização, operação e manutenção dos serviços turísticos e de educação ambiental e ampliação e inovação na oferta de atrativos, possibilitando a melhoria contínua na qualidade dos serviços e o desenvolvimento socioeconômico das comunidades de entorno por meio do turismo ecológico.

 O contrato junto ao BNDES tem prazo de 24 meses e ao final espera-se a efetivação de concessões nas unidades de conservação que apresentarem viabilidade econômica. “Ao IMA caberá reforçar essa parceria com atuação responsável e célere. Nosso trabalho traz segurança jurídica para que o projeto possa avançar sem entraves”, pontua o presidente do IMA, Daniel Vinicius Netto.

 De acordo com o superintendente do BNDES, Pedro Bruno, a aposta do banco na modalidade do chamado “desenvolvimento verde” leva em conta, entre outros fatores, projeções de órgãos especializados como a Organização Mundial do Turismo (OMT), que apontam para um crescimento na busca pelo ecoturismo, no pós-pandemia. Neste contexto, as paisagens naturais e a vocação turística de Santa Catarina foram apontadas como pontos fortes do Estado para atrair ainda mais visitantes.

 “Nosso objetivo é fomentar esse mercado que já desperta o interesse e o olhar de grandes marcas. Seremos parceiros de Santa Catarina para construir o modelo mais adequado à realidade da região, impactando positivamente na geração de empregos e renda”, informa o superintendente.

 Fonte: Secom/SC

Últimas notícias

Ao todo, 963 unidades escolares, de um total de 1.064, passaram por melhorias.
Alto risco ronda pacientes das Unidades Básicas de Saúde Vila Mariana e Centro/Palmital. Aviso foi divulgado em nome da secretária de Saúde, Rozi Terezinha de Souza. Mensagem tenta amenizar a gravidade da situação ao informar que locais de atendimento estão “temporariamente sem médicos”. Como se tal circunstância não fosse um absurdo inadmissível. O anúncio nem sequer diz quando novos profissionais assumirão as vagas. Apenas sustenta que Rozi “já” tomou providência. Mas, diante de tamanha ameaça, o portal Alto Vale Agora troca o “já” de Rozi por um “POR QUE” dirigido à secretária. Leia e entenda...
Esses projetos receberão os recursos em até quatro parcelas.