- A informação que gera opinião!

Saúde alerta para prevenção, testagem e tratamento da sífilis

Dados mostram que o número de notificações de sífilis adquirida teve uma leve redução, de 10.946 casos em 2019 para 8.802 em 2020.

Por Redação

15 de outubro de 2021

às 11:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O terceiro sábado do mês de outubro, 16, é marcado pelo Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita. A data traz um alerta sobre a gravidade desta Infecção Sexualmente Transmissível (IST), principalmente, em gestantes. Nas grávidas, a sífilis pode ser transmitida para o bebê e causar aborto espontâneo, parto prematuro, malformação do feto, surdez, cegueira, deficiência mental e morte ao nascer. Nos adultos, a sífilis pode causar feridas nos órgãos genitais, manchas e lesões na pele, ínguas e também pode levar à morte.

 Por esse motivo, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) aproveita a data para chamar a atenção da população catarinense para a prevenção, a testagem e o tratamento da sífilis. A gerente de IST da Dive, a médica infectologista Regina Valim, esclarece que a sífilis tem cura e o diagnóstico pode ser feito pelo teste rápido. “Ele está disponível gratuitamente nos serviços de saúde de todo o estado. O teste é feito com uma gota de sangue tirada da ponta do dedo e o resultado sai em até, no máximo, 30 minutos”, explica a médica.

 Nas gestantes, a indicação é que o teste seja realizado durante o pré-natal em, pelo menos, três momentos: primeiro e terceiro trimestres da gestação, no parto ou em casos de aborto. O parceiro da gestante também deve ser testado. Caso a infecção seja detectada, o tratamento deve ser iniciado imediatamente para evitar a transmissão da sífilis para o bebê. Os casais que estão planejando ter filhos também devem realizar o teste, antes mesmo da gestação.

 Além do teste, recomendado para todos, também é fundamental que parceiros sexuais façam o uso da camisinha em todas as relações.

 A médica ginecologista da Dive, Flávia Soares, ressalta que a sífilis pode causar sintomas que aparecem e desaparecem, mas a infecção permanece no organismo. “A prevenção, a testagem e o tratamento são as melhores ferramentas contra a infecção. A falta de tratamento pode resultar em sérias complicações, podendo levar à morte”, finaliza a médica.

 Sífilis em Santa Catarina

 Dados Sistema de Informação de Agravos de Notificação mostram que entre os anos de 2019 e 2020 o número de notificações de sífilis adquirida teve uma leve redução, de 10.946 casos em 2019 para 8.802 em 2020. Nas gestantes, também houve uma leve queda, de 2.133 casos em 2019 para 2.075 em 2020, bem como os dados de sífilis congênita, em menores de 1 ano, que teve uma queda de 550 casos em 2019 para 502 em 2020.

 A gerente de IST da Dive, a médica infectologista Regina Valim, acredita que essa queda possa ter relação tanto com a pandemia, que fez com que menos pessoas procurassem os serviços de saúde para realizar consultas, exames e testes, mas também com o esforço conjunto do estado, regionais e municípios no monitoramento e conscientização da população sobre a infecção, evitando que mais pessoas adoeçam.

 Fonte: Secom/SC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

 A vacinação contra a Covid-19 avançou, estamos quase todos devidamente imunizados. Com a flexibilização do uso de máscara em ambientes externos, já voltávamos a reconhecer os amigos na rua, planejávamos...
Segundo levantamento da Dive, houve uma queda no número de diagnósticos de infecções por HIV em Santa Catarina entre os anos de 2019 e 2020.
O trabalho das equipes deve iniciar nos próximos dias.