- A informação que gera opinião!

TJ confirma interdição de fábrica de pranchas de surfe em área residencial na Capital

O dono do negócio agravou da decisão no TJ, mas teve seu recurso.

Por Redação

7 de julho de 2021

às 15:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Justiça confirmou liminar que determinou a imediata paralisação e interdição das atividades de uma fábrica de pranchas de surfe localizada em área residencial no distrito do Rio Vermelho, norte da Ilha de Santa Catarina. O dono do negócio agravou da decisão no TJ, mas teve seu recurso negado pela 1ª Câmara de Direito Público, em matéria sob a relatoria do desembargador Paulo Henrique Moritz Martins da Silva.

 Na origem do imbróglio, uma ação civil pública ambiental proposta pelo Ministério Público contra o município de Florianópolis, a fábrica de pranchas e seu proprietário, após inquérito civil apurar que o Plano Diretor não permite a exploração de tal atividade no local. A ação pediu a interdição do estabelecimento, concedida em caráter liminar, mais a condenação do responsável por danos morais coletivos – a serem verificados no julgamento do mérito, em processo que tramita na 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital.

 No agravo interposto, o fabricante argumentou não haver clandestinidade ou registro de danos ambientais e que possui alvará de licença para fabricar artefatos para pesca e esporte emitido pela Prefeitura de Florianópolis desde 2015, além de alvará de funcionamento do Corpo de Bombeiros desde 2016. Disse também ter certificado de destinação de resíduos sólidos desde 2015; alegou ainda que o alvará sanitário é dispensável e que não existe laudo ambiental para provar suposta degradação ambiental.

 Em seu voto, o relator apontou que a atividade em questão “é expressamente proibida na localidade, de modo que não é passível de regularização”. De acordo com o zoneamento urbano, o imóvel está inserido numa Área Residencial Predominante (ARP-2.4), de uso preferencial de moradias, onde se admitem apenas pequenos serviços e comércios vicinais. Ainda segundo o voto do relator, todas as informações do inquérito civil que apurou as irregularidades comprovam a clandestinidade da atividade desenvolvida no imóvel, inclusive com autos de infração lavrados pela municipalidade.

 Além disso, o desembargador registrou a existência de diversas denúncias, com reclamações sobre barulho de serra, resíduos de isopor e cheiro químico formuladas por vizinhos através da ouvidoria da Prefeitura de Florianópolis. “Sendo assim, não merecem prosperar os argumentos do agravante de regularidade da atividade”, concluiu o magistrado. A câmara, por fim, suspendeu a cobrança de despesas postais ou de diligências do oficial de justiça, uma vez que a parte demonstrou e teve deferido pedido de justiça gratuita. A decisão foi unânime.

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Valor inclui multas aplicadas em ação por ato de improbidade administrativa em virtude de fraude em dispensas de licitação.
Ela foi condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em cidade do Vale do Itajaí.
O Conselho de Sentença condenou os réus por homicídio duplamente qualificado por matarem mãe e filho carbonizados e por motivo fútil.