- A informação que gera opinião!

TJ mantém exigibilidade de multa fiscal de R$ 9 milhões contra empresa

O caso em tela envolve empresa fabricante de tintas e vernizes.

Por Redação

2 de setembro de 2021

às 12:00

Compartilhe

 A 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em agravo de instrumento sob a relatoria do desembargador Luiz Fernando Boller, conheceu do recurso e deu provimento ao pleito do Estado para manter a exigibilidade do crédito tributário objeto de auto da infração fiscal, no valor de R$ 9,7 milhões, exarado pelo Fisco Estadual em desfavor de empresa atuante no ramo da produção química.

 Em ação anulatória de débito fiscal que tramita em 1º Grau, a empresa havia obtido tutela de urgência em caráter antecipatório, que ordenava ao Estado se abster de exigir tal crédito tributário, a qualquer título.

 “Ao compulsar os documentos acostados a exordial, não vislumbro qualquer elemento que possa derruir – ao menos nesta fase de cognição sumária em que se encontra o feito originário -, a presunção de legitimidade de que goza o Auto de Infração Fiscal nº 187320022376, referente à Notificação Fiscal nº 186030048072, efetivado pelo Estado de Santa Catarina”, anotou Boller, em seu voto.

 O caso em tela, sob o ângulo da receita estadual, envolve empresa fabricante de tintas e vernizes reincidente na apropriação de créditos irregulares, que em 2016, no âmbito da Operação “Quebra Gelo”, foi intimada para estornar créditos relativos a notas fiscais de fornecedores com situação cadastral “não habilitada” no Estado de origem, oportunidade em que reconheceu a irregularidade dos créditos, e passou a efetivar diversas declarações de débitos extemporâneos (DDE) para regularizar a situação.

 A câmara, ao mesmo tempo que manteve a exigibilidade do crédito neste momento, ressalvou a possibilidade de a empresa promover o depósito integral da dívida ou prestar caução com a finalidade de obter certidão positiva com efeitos de negativa. A decisão foi unânime.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.