- A informação que gera opinião!

TJ mantém pena a funcionário público que, ilegal, vendeu lote em cemitério

Conforme os autos, ele vendeu a um casal, por R$ 600 e sem os devidos trâmites administrativos.

Por Redação

9 de agosto de 2021

às 15:40

Compartilhe

 A 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina manteve pena imposta a um funcionário público por improbidade administrativa. Conforme os autos, ele vendeu a um casal, por R$ 600 e sem os devidos trâmites administrativos, um lote no cemitério de que era administrador. O caso aconteceu na Serra Catarinense.

 O juízo de 1º grau suspendeu os direitos políticos do administrador por oito anos, condenou-o ao pagamento de multa civil equivalente a três vezes o acréscimo patrimonial e o proibiu de contratar com o poder público ou dele receber benefícios ou incentivos fiscais e creditícios por 10 anos. Por fim, o réu foi condenado a pagar multa de R$ 600.

 Pela venda, ele já havia sido condenado em ação criminal, por auferir vantagem indevida em razão de sua função pública. Cometeu, assim, o crime de corrupção passiva e foi sentenciado em três anos de reclusão em regime semiaberto. Já nesta ação, como na outra, ele alega que não vendeu nada e não agiu de maneira ímproba, motivo pelo qual pleiteou a reforma da decisão.

 O desembargador Vilson Fontana, relator da apelação, explicou que os fatos discutidos na presente ação já foram minuciosamente analisados na esfera criminal, em ação penal movida pelo Ministério Público, com sentença condenatória que transitou em julgado. E, com base no artigo 935 do Código Civil, explicou que diante disso é dispensável ocupar-se das alegações, teses e argumentos tendentes a reverter, em sede recursal, o julgamento monocrático de procedência do pedido.

 “Logo”, anotou o magistrado em seu voto, “a rediscussão da matéria encontra-se obstada, não comportando guarida a pretensão recursal do insurgente, pois confirmada a ocorrência de ato ímprobo na esfera penal”.  Com isso, ele manteve intacta a sentença. A decisão foi unânime.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Os profissionais chegaram a ser aplaudidos durante a pandemia, mas agora são alvo de desprezo de políticos que, em falha grave, estão passando por cima de uma lei federal; e poderão ser responsabilizados por isso.
Ao acatar representação do vereador Eder Ceola, Ministério Público solicitou vasta lista de informações à secretária de Saúde, Rozi de Souza.
Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.