- A informação que gera opinião!

Traficante é condenado pela execução de PM aposentado que andava de muletas

O crime, segundo o MP, teve motivação em um quadro que envolvia o tráfico de drogas e supostas dívidas entre usuário e traficante.

Por Redação

14 de julho de 2021

às 10:40

Compartilhe

 O Tribunal do Júri da comarca de Itapoá, em sessão neste mês, condenou a pena de 16 anos e quatro meses de reclusão, em regime fechado, homem apontado como autor de homicídio que vitimou um policial militar aposentado. A sessão de julgamento durou cinco horas e foi presidida pela juíza Aline Vasty Ferrandin, titular da 2ª Vara da comarca daquela unidade jurisdicional.

 De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público, por meio do promotor Luan de Moraes Melo, o acusado teria matado o militar por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, no final de agosto de 2019, naquela cidade. O crime, segundo o MP, teve motivação em um quadro que envolvia o tráfico de drogas e supostas dívidas entre usuário e traficante, acusação que acabou não sustentada nas provas contidas nos autos. Remanesceu clara para os jurados apenas a autoria do homicídio, daí a condenação.

 A execução ocorreu na Estrada Cornelsen, na Barra do Saí, quando o réu desferiu quatro tiros contra a vítima, que sofreu traumatismo crânio encefálico grave, traumatismo torácico e abdominal graves, causas efetivas de sua morte. O excesso de tiros desferidos, somado ao fato de a vítima usar muletas, dificultou qualquer defesa por parte do militar. A defesa do réu, advogado Paolo Farris, argumentou durante a sessão que não haviam provas concretas quanto à autoria do acusado, tese não levada em conta pelo conselho de sentença.

 Ao final da sessão de julgamento, ocorrida no plenário da Câmara de Vereadores de Itapoá, foi negado ao réu o direito de recorrer em liberdade, pois permanecem hígidos os fundamentos que deram ensejo ao decreto da prisão preventiva

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.