- A informação que gera opinião!

Três homens são condenados por morte de viúva de faccionado rival

As penas totalizaram 102 anos de reclusão.

Por Redação

6 de setembro de 2021

às 12:00

Compartilhe

 Na primeira sessão do Tribunal do Júri da comarca de Joinville do mês de setembro, realizada nesta semana (02/09), o Conselho de Sentença condenou três réus a penas que totalizaram 102 anos de reclusão. Individualmente elas foram de 40, 34 e 28 anos, todas em regime fechado. A sessão foi presidida pela juíza Regina Aparecida Soares Ferreira, com a atuação do promotor Marcelo Sebastião Netto de Campos pelo Ministério Público, e seguiu todos os protocolos de segurança sanitária estabelecidos pela Diretoria de Saúde do TJSC, como distanciamento, disponibilização de álcool gel e restrição da entrada de pessoas no ambiente de julgamento.

 Segundo alegou o Ministério Público (MP), quatro jovens e um adolescente mataram a viúva de um líder de facção criminosa, em dezembro de 2017, no bairro Jardim Sofia. Na sessão do dia 2 de setembro, três homens sentaram no banco dos réus. Já o quarto réu foi julgado e condenado a 23 anos de reclusão em um júri realizado anteriormente, momento em que o processo foi desmembrado.

 O MP argumentou que o grupo chegou à residência da mulher e, de surpresa, efetuou vários disparos de arma de fogo, responsáveis pela morte da vítima, conforme o Laudo Pericial de Exame Cadavérico. Em seguida, o grupo fugiu em um carro. No celular da vítima, foram encontradas várias informações de conversas anteriores.

 O promotor sustentou, na sessão de julgamento, que o crime foi cometido por motivo torpe, pelo fato da vítima ser viúva de pessoa integrante da organização criminosa oposta e também ter sido mencionada como participante de supostas emboscadas. Além disso, o crime foi cometido mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, já que surpreendida pelos disparos de arma de fogo no interior de sua residência.

 Os advogados de defesa dos três réus negaram a participação deles no episódio.

 Fonte: TJSC

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.