- A informação que gera opinião!

Tribunal do Júri condena três integrantes de facção criminosa que decapitaram rival e filmaram o crime em Florianópolis

Os réus receberam penas que variam entre 18 e 28 anos de prisão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, participação em organização criminosa e corrupção de menor. A vítima foi morta por golpes de faca e decapitada por acreditarem que seria integrante de uma facção rival.

Por Redação

23 de junho de 2021

às 11:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O Tribunal do Júri da Comarca da Capital condenou, em sessão na quinta-feira (17/6), três réus pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, participação em organização criminosa e corrupção de menor. Os condenados terão que cumprir penas que variam entre 18 e 28 anos de prisão por matarem um homem com golpes de faca e o decapitarem por acreditarem que ele seria integrante de uma facção rival.

 Os crimes ocorreram em janeiro de 2019, na região do Morro do Mosquito, em Florianópolis. Segundo a denúncia do Ministério Público, o homem foi abordado pelo grupo, amarrado e levado para o matagal. Lá, a vítima começou a ser golpeada com um facão e uma faca. Os réus revezavam os golpes entre si e utilizavam tom jocoso contra o homem, que pedia por ajuda. Após matar a vítima, o grupo decapitou e enterrou o corpo na tentativa de ocultar o crime. O cadáver só foi encontrado no dia 30 de janeiro de 2019. Os executores dos delitos filmaram a ação homicida. 

 A filmagem do crime foi analisada, o que possibilitou a identificação de quatro réus e de um adolescente, que na época dos fatos tinha 17 anos. O quinto réu foi identificado durante a confissão de outro acusado. No vídeo é possível escutar o diálogo entre os réus, em que se chamam pelos apelidos pelos quais são conhecidos.

 A sessão julgou três dos cinco réus envolvidos. Os outros dois réus que participaram do crime interpuseram recurso e, por isso, a sessão em que serão julgados ainda será marcada. 

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) denunciou e obteve a prisão preventiva dos acusados, que permaneceram assim durante o andamento do processo. 

 Na denúncia, a 37ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital enfatizou que o modo como o crime foi cometido “demonstra brutalidade imoderada, irrelevância com a vida alheia e ausência de qualquer sentimento de piedade”.

 Perante o Tribunal do Júri, com destacada atuação, o Promotor de Justiça Andrey Cunha Amorim sustentou que o homicídio foi triplamente qualificado: motivo torpe – uma disputa entre as organizações criminosas; cometido por meio cruel; e sem dar chance de defesa à vítima.

 Diante dos fatos e das provas apresentadas pelo MPSC, os réus foram considerados culpados pelo Conselho de Sentença, e o Juízo do Tribunal do Júri da Comarca da Capital aplicou as penas de 18 anos e 8 meses de reclusão para Ana Alice da Fonseca; de 24 anos de reclusão para Alexsandro Serena; e de 28 anos e 3 meses de reclusão para Bianco Laurentino. Todos os três deverão cumprir as penas em regime inicial fechado e não terão o direito de apelar da sentença em liberdade. A decisão é passível de recurso.

 Fonte: MPSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Valor inclui multas aplicadas em ação por ato de improbidade administrativa em virtude de fraude em dispensas de licitação.
Ela foi condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em cidade do Vale do Itajaí.
O Conselho de Sentença condenou os réus por homicídio duplamente qualificado por matarem mãe e filho carbonizados e por motivo fútil.