- A informação que gera opinião!

Um olho no calendário, outro no Tribunal

Município atrasa fechamento da folha de pagamento de 2.300 servidores no Alto Vale.

Por Redação

23 de julho de 2021

às 19:16

Compartilhe

 Pelo visto, gestores da própria prefeitura de Rio do Sul acham que pode cair o decreto (e não lei!) do prefeito José Thomé que suspendeu o reajuste anual de 4,31% dos servidores e empregados públicos do Executivo e Legislativo de Rio do Sul, a partir de 1° de agosto.

 A folha de pagamento dos cerca de 2.300 funcionários – que normalmente é fechada no dia 20 de cada mês -, deve ser gerada apenas em meados da semana que vem.

 É que após a categoria ter negado um pedido de liminar pelo juiz Edson Zimmer, o sindicato dos servidores (Sinspurs) recorreu, por meio de agravo de instrumento, ao Tribunal de Justiça, em Florianópolis. E como existe a expectativa de que uma liminar – favorável aos trabalhadores ou não – saia já nos próximos dias, o RH da prefeitura entrou em compasso de espera. Tudo pra evitar o eventual transtorno de ter que rodar folha suplementar, caso o TJ determine o pagamento sem o corte do índice inflacionário que vinha sendo repassado aos salários desde janeiro deste ano.

 Vários municípios estão em situação semelhante, depois que uma decisão do Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE-SC) oficiou as prefeituras para  fazer o corte na remuneração. O estopim foi a Lei Complementar (n° 173/2020) do governo Bolsonaro, que restringe gastos até o final do ano por conta do Programa Federal de Enfrentamento à pandemia. O Sinspurs sustenta que há erro de interpretação dessa lei e que o reajuste deve ser mantido.

 Em breve, o TJ dirá!

 Fonte: Redação

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.