- A informação que gera opinião!

Variante do vírus da farra das diárias reinfecta Câmaras de Vereadores e contribuinte paga conta do surto

Em plena pandemia, parlamentares de três municípios da região devem gastar quase 100 mil reais do dinheiro do povo em viagem a Brasília.

Por Redação

27 de agosto de 2021

às 09:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 De tão rentável que é o negócio das diárias, grande parte dos vereadores não vê a hora de fazer outra vez as malas, sair com o carro, pegar o avião e desembarcar em uma cidade longínqua, em tese, para fazer algum cursinho. Desta vez, o frenesi é em torno da ‘Marcha dos Legislativos/2021’, de 24 a 27 de agosto, em Brasília. E comitivas de parlamentares de três municípios do Vale Oeste (SC), em deslocamento à capital federal, deverão sugar quase R$ 100 mil do dinheiro do contribuinte em menos de uma semana.

 A farra com o dinheiro público ocorre em plena pandemia, apesar da alternativa segura, eficaz e barata das videoconferências e mesmo parlamentares tendo jurado na campanha que estavam plenamente preparados para exercer o cargo.

 Mamando nas tetas das Câmaras

 Cada fio de oportunidade que aparece para viajar é capaz de acender cifrões nos olhos da maioria dos vereadores. Afinal, é você que paga tudo e, no final, dá lucro… para eles, claro.

 O ‘patrocínio’ é integral, do início ao fim do passeio. Cursinho: pago pelo povo! Quilometragem do carro: paga pelo povo! Passagens: pagas pelo povo! Gordas diárias: pagas pelo povo, óbvio!

 Além de vereadores, uma rápida pesquisa revela que mais gente pega ou já pegou carona nesse tipo de gastança, incluindo: contador, agente administrativo e assessor de imprensa.

 Caras de Pau: ‘Sobras’ vão direto para o bolso

 E são justamente as diárias – legais, mas imorais – que dão água na boca de vereadores.

 Enquanto sua empresa pode repassar menos de R$ 50,00 para um ‘almoço’ em caso de alguma viagem de trabalho, os parlamentares municipais pesquisados na região têm diárias que variam de R$ 1,6 mil a R$ 3,4 mil, apesar de não precisarem gastar um tostão sequer com o deslocamento por terra e pelo ar ou até sobre a água, se for o caso. Em outras palavras, essa classe, que pode fazer suas próprias leis, ganha muito dinheiro quando sai a passeio.

 E mais. Como em Brasília uma selfie de bajulação acrescida de um tapinha nas costas de um deputado federal ou de um senador podem render estadia ou almoço grátis, é preciso cuidado, pois as sobras de dinheiro das diárias podem ir caindo dos bolsos…

 É mesmo uma ‘festa’. E em vez de devolver o que sobrou, a maioria dos vereadores ainda reserva petulância para abrir aquele sorriso cínico nos retratos comemorativos postados em rede social enquanto sabe que irá engordar o já gordo salário com as diárias indecentes.

 Todos esses recursos públicos estão sendo gastos, mais uma vez, nesse momento, em Brasília, por parlamentares da região com vencimentos entre R$ 3 mil e R$ 5,5 mil.

 Em campanha, brigas. Eleitos, juntos – e eufóricos – para viajar…

 Se houvesse lógica, bom senso e respeito ao dinheiro público poderia, no máximo, apenas um vereador por Câmara ser destacado para participar de qualquer curso. Na volta, bastaria que este mesmo parlamentar compartilhasse o eventual conhecimento adquirido com os demais. Mas não é o que, em geral, acontecesse no planeta Terra.

 E, nessa linha, dezoito vereadores, além de um contador, terão explicações a dar em plenário quando voltarem de Brasília. Eles são de Rio do Campo, Santa Terezinha e Salete, no Vale Oeste (SC). Os gastos de viagem deles nesta última semana irão chegar perto de R$ 100 mil, segundo levantamento feito pelo portal Alto Vale Agora. Acompanhe:

 Rio do Campo – Recordista de membros na comitiva e também de gastos, município tem dez pessoas em viagem: nove vereadores, além do contador.

 Contador

 – Darci Weber

 Vereadores

 – Gilmar Florentino da Silva (MDB)

 – Jean Carlos Leite (PSD)

 – Joanildo Beiger (PT)

 – José Haverroth (PP)

 – Lenoir Menegazzi (PT)

 – Luis Emilio Padilha (PSDB)

 – Marilete Vavassori Rafaelli (PSD)

 – Valmir Saqueti (PSD)

 – Adila Conik (PSL)

 Diária (R$ 2.604,80): R$ 23.443,20

 (9) Passagens: R$ 7.548,30

 (1) Contador (passagem): R$ 838,70

 (1) Contador (diária): R$ 2.604,80    

 (1 Veículo) Km: R$ 699,20

 UVB – Inscrições: R$ 6.000,00

 TOTAL: R$ – 41.134,20

Santa Terezinha – Em fevereiro deste ano, os nove vereadores já haviam ido a Brasília – na companhia de Zeneide Kovalski, com cargo de Agente Administrativo – e gastaram mais de R$ 50 mil. Agora, cinco deles voltam para lá. O grupo tem a diária mais alta do nosso levantamento: R$ 3.433,50.

 – Emerson Felczak (PSD)

 – Natanieli de Fatima Filipe (PT)

 – Edson Anuar Okopnik (MDB)

 – Israel de Lima (PSD)

 – João Eduardo Pavoski (PSD)

 Diária (R$ 3.433,50): R$ 17.167,50

 (5) Passagens: R$ 2.960,55

 (1 veículo) Km: não consta no portal.

 UVB – Inscrições: R$ 3.000,00

  TOTAL: R$ 23.128,05

Salete – Com uso de diárias, quatro vereadores estão em viagem. Pela primeira vez, Paulo Roberto Loch foi a Brasília. Os outros três – com três mandatos – já tiveram, ao longo das décadas, muitas oportunidades de fazer viagens à capital federal.

 – Paulo Roberto Loch (PL)

 – Alício Regueira (PL)

 – Odair José Cirico (PSL)

 – Paulo Feldhaus (MDB)

 Diária (R$ 1.680.00): R$ 6.720,00

 (4) Passagens: R$ 3.760,00

 (1 Veículo) Km: R$ 530,00

 UVB – Inscrições: R$ 2.400,00

 TOTAL: R$ 13.410,00

 Alguns bons exemplos

 Nem todas as Câmaras de Vereadores ou parlamentares compactuam com a farra das diárias.

 Em Salete, no primeiro semestre de 2021, o presidente da Câmara de Vereadores Odair Ferreira e a vereadora Elaine de Barros, ambos do PL, viajaram a Brasília com recursos próprios, sem o uso de diárias.

 O legislativo de Mirim Doce, por exemplo, recusou a proposta de curso da União dos Vereadores do Brasil (UVB) e ninguém viajou a Brasília.

 Já a Câmara de Vereadores de Taió, desta vez, não tem comitiva na capital federal. Porém, no início deste ano, nove vereadores e o assessor de imprensa viajaram a Brasília. O gasto ultrapassou os R$ 40 mil.

 Estamos observando!

 Fotos Registro: Santa Terezinha viagem com todos os Vereadores em fevereiro; Rio do Campo, não recebemos registro; Salete, registro atual.

 Fonte: Da Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Por que o prefeito Horst Alexandre Purnhagen (MDB) decidiu pagar R$ 216 mil mais caro? O que levanta outro questionamento: por que gestor não agiu para economizar? Empresa contratada deverá fazer serviço de geoprocessamento para elaboração de novo mapa territorial do município.
Uma das principais rodovias de Santa Catarina coleciona ‘panelas e crateras’. Precariedade desafia motoristas que escapam até pelo acostamento, detona veículos e coloca vidas em risco. Mas não parece envergonhar autoridades coniventes com o descaso.
“Há fundadas razões para que tenha ocorrido direcionamento no procedimento licitatório”, “superfaturamento” e custos quase triplicados em contrato de R$ 1,36 milhão, alerta representação encaminhada por Eder Ceola.