- A informação que gera opinião!

Bancada da ALESC solicita inclusão de gestantes nos grupos prioritários de vacinação

Um ofício foi enviado ao secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, nesta quinta-feira (17).

Por Redação

18 de junho de 2021

às 13:53

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Bancada Feminina da Assembleia Legislativa de Santa Catarina encaminhou nesta quinta-feira (17) ao secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, um ofício solicitando a inclusão de gestantes e puérperas (que acabaram de dar à luz) sem comorbidades nos grupos prioritários do plano estadual/municipal de vacinação contra a Covid-19 em Santa Catarina.  As deputadas enfatizam no documento que vários estados retomaram a vacinação para as gestantes e puérperas com os imunizantes Pfizer e Coronavac e que em Santa Catarina a suspensão continua, embora se trate de grupo de risco com elevados índices de mortalidade por Covid-19.

 No ofício, também é citado como referência a recomendação 1/2021, enviada pelo Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres – Defensoria Pública do Estado de Santa Catarina, no dia 2 de junho, para fins de retomar a vacinação deste grupo de risco específico. “Solicitamos, portanto, a sua especial atenção para a retomada da vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades com imunizantes alternativos ao da Astrazeneca, na maior brevidade possível, para não elevar os índices de mortalidade por Covid-19 deste grupo de risco”, reforça o documento.

 As parlamentares ressaltam que na análise dos dados públicos do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), houve aumento da mortalidade materna por Covid-19, no Brasil, sendo notificados até o dia 2 de Junho de 2021, 455 casos em 2020 e 814 em 2021, o que representa 10 mortes maternas por semana em 2020 e 38 mortes maternas por semana em 2021.

 Na comparação entre os anos 2020 e 2021, a mortalidade materna semanal aumentou em 283% e a mortalidade da população geral aumentou em 105%, confirmando os achados do CDC de que gestantes constituem grupo de maior risco de intubação orotraqueal, de internação em unidades de terapia intensiva (UTIs) e de óbito.

 Fonte: ALESC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
O estudo faz parte de um projeto, iniciado em 2020, para criar um novo kit de detecção do coronavírus.
Evento aberto ao público será dia 19 de outubro apenas pela internet.