- A informação que gera opinião!

CDR vai fazer audiência pública sobre proteção do cerrado

O pedido foi do senador Jean Paul Prates (PT-RN), que é o relator de projeto de lei sobre o tema.

Por Redação

5 de outubro de 2021

às 14:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR) aprovou, nesta segunda-feira (4), a realização de audiência pública sobre novas regras de proteção e desenvolvimento sustentável para o cerrado (REQ 6/2021). A Comissão convidará representantes da Casa Civil e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

 O pedido veio do senador Jean Paul Prates (PT-RN), que é o relator de projeto de lei sobre o tema (PL 5462/2019). O texto seria a primeira legislação federal de preservação do cerrado, dispondo sobre conservação, proteção, regeneração, utilização e proteção da vegetação nativa e política de desenvolvimento sustentável.

 No requerimento, Jean Paul observa que o cerrado é o segundo maior bioma do Brasil, ocupando 25% do território nacional, e também abriga as nascentes de importantes rios, como o São Francisco. Apesar disso, o bioma não tem um marco de proteção e vive sujeito a ameaças, como o desmatamento e a expansão da fronteira agropecuária.

 “O cerrado é fundamental para a segurança hidroenergética do país, e há especialistas que apontam forte correlação entre a crise atualmente vivenciada e a situação de degradação enfrentada pelo bioma. Não há mais espaço para se pensar em outra forma de presença humana na área que não uma pautada pela sustentabilidade”, defende o senador.

 Além da Casa Civil e da Embrapa, a audiência deverá contar com representantes do Consórcio Nordeste, do Instituto Pensar Agropecuária e da Rede Pouso Alto de Agroecologia.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
As críticas foram expostas na sessão de quarta-feira (13) da Assembleia Legislativa.
Caroline de Toni comandará os trabalhos do colegiado.