- A informação que gera opinião!

Com gasolina a R$ 6, preços dos combustíveis voltam à discussão na Alesc

O preço dos combustíveis voltou ao debate na sessão de terça-feira (31).

Por Redação

1 de setembro de 2021

às 13:40

Compartilhe

 Com a gasolina custando cerca de R$ 6 em várias regiões de Santa Catarina, o preço dos combustíveis voltou ao debate na sessão de terça-feira (31) da Assembleia Legislativa.

 Luciane Carminatti (PT) usou a tribuna para explicar que o ICMS não é o culpado pelos nove aumentos dos combustíveis em 2021, que majoraram em mais de 50% os preços da gasolina.

 “O fator que mais pesou no aumento dos preços foram os reajustes feitos pela Petrobrás”, afirmou Carminatti, que ironizou o discurso do presidente Bolsonaro de que o ICMS é culpado pelos preços. “A alíquota de 25% é a mesma há mais de 30 anos, no Rio Grande do Sul e no Paraná é 29%. O diesel é de 12% desde Vilson Kleinubing”.

 Para Carminatti, a política de preços da estatal, adotada pelo ex-presidente Michel Temer, atrelou os preços no mercado interno ao preço do petróleo no mercado internacional, que é cotado em dólar.

 “A gasolina está dolarizada para os acionistas ganharem muito”, disparou Carminatti, que condenou o pagamento antecipado de R$ R$ 31,6 bi em dividendos aos acionistas da empresa em 2021.

 Sargento Lima (PL) foi além no tempo e responsabilizou a ex-presidente Dilma Rousseff pela gasolina a R$ 6.

 “As tratativas para dolarizar o preço dos combustíveis começaram no governo Dilma Rousseff”, pontuou Lima, que reconheceu que somente em 2018, no governo Temer, a política de preços atrelada ao dólar foi adotada.

 “O mundo é uma aldeia global, o problema de todos os países acaba influenciando aqui dentro do Brasil, influenciando o dólar, e influencia no nosso combustível aqui”, avaliou o representante de Joinville, que elogiou o desempenho da Petrobrás e parabenizou o investidor que apostou na empresa.

 Ana Campagnolo (PSL) reclamou da falta de memória do brasileiro e citou reportagem da revista Veja de 11 de agosto de 2014, que informava que o brasileiro começaria a sentir no bolso o aumento dos combustíveis.

 “A política de preços da Era Dilma custou R$ 100 bi, mais que toda Lava Jato”, acusou a deputada, que responsabilizou o Partido dos Trabalhadores de patrocinar o congelamento dos preços dos combustíveis para ganhar a eleição e permanecer no poder.

 A deputada ainda elogiou o presidente Jair Bolsonaro pela “coragem de não ceder à demagogia e congelar os preços dos combustíveis”.

 Fonte: ALESC

Últimas notícias

Foi um ‘tiro no pé’. Ao barrar os vereadores, líderes da ADAS colhem tempestade de críticas não apenas por desabonar autoridades públicas, mas também devido à suposta fome de lucros e por descaracterizar a verdadeira essência de um dos eventos mais tradicionais de Salete (SC).
Eder ‘pediu a cabeça’ de Rozi em sessão da Câmara de Vereadores de Taió (SC). Pivô da discórdia é médico credenciado que já faturou quase R$ 1,4 milhão no município. Veja!
As trocas durante a janela partidária deverão alterar a composição das bancadas na Câmara dos Deputados.