- A informação que gera opinião!

Comissão aprova projeto com ações contra hepatites virais no Julho Amarelo

Entre as ações estão a promoção de palestras e atividades educativas, a veiculação de campanhas de mídia e a realização de eventos.

Por Redação

6 de setembro de 2021

às 14:00

Compartilhe

 A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 3765/20, que estabelece ações a serem desenvolvidas no Julho Amarelo, mês definido por lei como de luta contra as hepatites virais.

 O colegiado acolheu o parecer do relator, deputado Padre João (PT-MG). “Não resta dúvida de que as hepatites virais constituem um grave problema de saúde pública e que a conscientização é a melhor forma de levar as pessoas a se protegerem, inclusive, buscando as vacinas”, avaliou o deputado.

 A proposta amplia a Lei 13.802/19, que instituiu o Julho Amarelo, mas não o detalhou. “A lei foi um importante passo para a conscientização da população para o problema, mas são necessários aperfeiçoamentos para dar efetividade ao Julho Amarelo”, disse o autor do projeto, deputado Alexandre Padilha (PT-SP).

 “Enquanto a lei original remetia ao regulamento detalhar as atividades no Julho Amarelo, o projeto aprovado as incorpora à norma vigente. Tenho certeza de que a especificação contribuirá para a maior repercussão dos esforços pela redução das hepatites e suas consequências”, concordou Padre João.

 Conforme o texto, entre essas ações previstas estão a iluminação de prédios públicos com luzes de cor amarela, a promoção de palestras e atividades educativas, a veiculação de campanhas de mídia e a realização de eventos.

 As atividades e mobilizações serão desenvolvidas em consonância com os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS), de modo integrado em toda a administração pública e com instituições civis e organismos internacionais.

 Em 2010, a Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu 28 de julho como Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. Nesta data, busca-se chamar atenção para o tema e conscientizar as pessoas acerca da importância do diagnóstico precoce, da vacinação e do tratamento dessas doenças.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.