- A informação que gera opinião!

Comissão de Justiça e Redação analisa novo Estatuto do Servidor

Novo Estatuto irá substituir o atual que está em vigor há quase 50 anos.

Por Albanir Buzzi Júnior

12 de julho de 2021

às 12:00

Compartilhe

 O projeto do novo Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Taió começou a ser analisado pela Comissão de Justiça e Redação, da Câmara de Vereadores. Na tarde desta quinta-feira (8), os membros da comissão, o setor jurídico, o presidente do Legislativo, William Henrique Noriller, e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público de Taió (Sintrasp), Gesi Peters, se reuniram para discutir o texto.

 A reunião debateu pontos da proposta encaminhada pelo Executivo e comparou com o documento elaborado por uma comissão mista, que foi formada por membros indicados pela Administração Municipal e servidores de carreira.

 O Estatuto que está em vigor foi criado em 1972, ao longo dos anos o texto passou por algumas alterações pontuais na redação de alguns artigos. O presidente da Comissão de Justiça e Redação, Aroldo Peicher Junior ‘Peixinho’ destacou a importância da análise detalhada da proposta.

 “São quase 50 anos que separam o Estatuto atual do que está sendo analisado. Esse é um projeto que precisa ser analisado com muita cautela, ele impacta diretamente na carreira e na vida de quase 500 servidores, então estamos debatendo artigo por artigo, para que possamos ter um Estatuto atualizado e justo”, declarou.

 Na próxima semana, novas reuniões estão previstas para que se dê continuidade à análise do texto.

 Fonte: Câmara de Vereadores de Taió

Últimas notícias

Suspeita de fraude milionária com recursos federais envolve entidade de assistência social contratada por duas prefeituras catarinenses entre 2014 e 2016 e que, depois, com outro nome, firmou contrato com uma terceira prefeitura entre 2018 e 2020. Operação foi deflagrada em oito municípios.
Docente teria constrangido adolescentes a tal ponto que elas não queriam mais entrar na sala de aula. Fonte contou ao portal Alto Vale Agora que as estudantes relataram olhares insinuantes e piadas sujas dele no ambiente escolar.
Eder Ceola pede “instauração de Inquérito Civil Administrativo” contra Rozi Terezinha de Souza para apurar pagamentos totais de R$ 1,2 milhão a médico credenciado pela prefeitura.