- A informação que gera opinião!

Comissão mista fará audiência pública para discutir desestatização de portos

Volnei Weber vai presidir a comissão mista sobre a desestatização dos portos catarinenses.

Por Redação

5 de outubro de 2021

às 12:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O deputado Volnei Weber (MDB) foi eleito presidente da comissão mista da Assembleia Legislativa que vai analisar a desestatização dos portos de Imbituba e São Francisco do Sul, durante a reunião de instalação do colegiado, na tarde desta segunda-feira (4). Já o deputado Marcos Vieira (PSDB) foi escolhido para a vice-presidência, enquanto a relatoria ficará sob responsabilidade da deputada Ada Faraco de Luca (MDB).

 Weber é o autor do requerimento que resultou na instalação da comissão mista, que terá 60 dias para concluir seus trabalhos, prorrogáveis por mais 60 dias. Integram o grupo, além dos deputados citados acima, Romildo Titon (MDB), Sargento Lima (PL), Moacir Sopelsa (MDB) e Ivan Naatz (PL).

 Ainda na reunião de instalação, os membros da comissão aprovaram o cronograma de trabalhos, além da realização de uma audiência pública, no dia 21 de outubro, que reunirá representantes dos municípios portuários, dos trabalhadores do setor, da SCPar, do governo federal, entre outros convidados. A expectativa é concluir os trabalhos até o dia 23 de novembro.

 “Esta comissão vai ouvir a sociedade, as lideranças municipais, o governo, para dialogar e buscar o entendimento sobre o que é melhor para todos”, afirmou Weber. “Os portos são importantes para a nossa economia e se deve ter muita cautela sobre o que vai ser feito com eles, já que a economia os municípios onde eles estão instalados é fortemente impactada.”

 Nesta terça-feira (5), Weber terá uma reunião em Brasília, com o secretário nacional dos Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni e Silva, para tratar da desestatização dos portos catarinenses.

 Fonte: ALESC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
As críticas foram expostas na sessão de quarta-feira (13) da Assembleia Legislativa.
Caroline de Toni comandará os trabalhos do colegiado.