- A informação que gera opinião!

Cor amarela na fachada do Congresso lembra campanha contra hepatites virais

O Julho Amarelo foi instituído no Brasil pela Lei 13.802, de 2019.

Por Redação

21 de julho de 2021

às 13:00

Compartilhe

 O Congresso Nacional será iluminado com a cor amarela, a partir da noite desta terça-feira (20), em apoio ao Julho Amarelo, campanha nacional de combate às hepatites virais. O pedido partiu do Ministério da Saúde e dos deputados Alexandre Padilha (PT-SP) e Bozzella (PSL-SP). A iluminação especial vai até dia 30.

 O Julho Amarelo foi instituído no Brasil pela Lei 13.802, de 2019. Segundo o Ministério da Saúde, a finalidade da data é reforçar as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais, inflamação do fígado causada por vírus.

 Coordenador da Frente Parlamentar Mista de Combate às Hepatites Virais, o deputado Bozzella foi um dos articuladores da decisão do Ministério da Saúde, em 2020, que ampliou o acesso ao tratamento da doença, ao abreviar o tempo entre a prescrição médica e o recebimento dos medicamentos pelo paciente. A demanda fazia parte das iniciativas do Movimento Brasileiro das Hepatites e do Grupo Esperança, de apoio às pessoas com hepatite viral.

 Fonte: Agência Senado

Últimas notícias

Ao responsabilizar secretária Rozi Terezinha de Souza pela irregularidade envolvendo servidor que não bateu ponto no intervalo do almoço durante um ano, Eder Ceola foi enfático: “Ela tem que devolver esses R$ 7 mil [que o médico faturou a mais por mês] para o povo.” E acrescenta: “O que mais me deixa triste, é que dava pra tirar todas as filas da ressonância” com o dinheiro das horas extras pagas ao especialista de forma indevida.
Gestor público taioense terá que se empenhar bem mais para garantir a liberação de outros R$ 6 milhões necessários à construção do anexo do Hospital e Maternidade Dona Lisette e cumprir promessa de instalação de uma UTI no quinto andar do futuro bloco.
Para vergonha da sua gestão, Horst Alexandre Purnhagen (MDB) mantém o fracasso que vem do mandato anterior. O político ainda não conseguiu concluir uma simples ponte estaiada bem no coração da cidade. E o pior: um aditivo, recém-assinado, fez o custo do serviço aumentar R$ 470 mil.