- A informação que gera opinião!

Debatedoras apontam falta de recursos para atendimento especializado a mulheres vítimas de violência

Deputada lembrou proposta em análise na Câmara que condiciona recebimento de recursos federais à criação de delegacias especializadas.

Por Redação

16 de agosto de 2021

às 14:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A quantidade de delegacias de atendimento à mulher e o atendimento especializado às mulheres vítimas de violência ainda deixam muito a desejar no Brasil. E o principal motivo é a falta de recursos, que impede mais capacitação e a realização de novos concursos para contratação de efetivo policial suficiente para atender as mulheres.

 Essas foram algumas das conclusões dos participantes de audiência pública realizada, nesta sexta-feira (13), pela Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados para debater o funcionamento das delegacias especializadas de atendimento à mulher vítima de violência.

 Raquel Gallinati, delegada de São Paulo e diretora da Associação dos Delegados de Polícia do Brasil, apresentou um diagnóstico de algumas das principais dificuldades enfrentadas.

 “A falta de investimento do governo nas estruturas de polícia judiciária, que é a porta de entrada do sistema de justiça criminal, ocasiona o desmantelamento do sistema de proteção àquelas mulheres vítimas de violência”, afirma. A delegada explica que a vítima de violência doméstica é diferenciada porque “ela lida com o algoz que é, supostamente, psicologicamente, aquele que ela ama. Muito mais do que física, é uma violência psicológica, e a gente deveria ter, além dos policiais habilitados e capacitados, psicólogos e assistentes sociais contratados pelo estado”, aponta.  

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Órgão suspeita que esteja ocorrendo uma compensação de reajustes entre planos individuais e coletivos de uma mesma operadora.
Os JUBs 2021 serão realizados em Brasília, no mês que vem.
O senador Esperidião Amin (PP-SC) apresentou projeto que altera o Código de Processo Penal, para dispor sobre o processo e o julgamento de crimes contra magistrados e membros do Ministério Público.