- A informação que gera opinião!

Defesa da democracia marca evento preparatório de celebração da independência

Ex-presidente da Câmara, Aldo Rebelo criticou "tensionamento" político em torno do próximo 7 de setembro.

Por Redação

3 de setembro de 2021

às 09:40

Compartilhe

 Com discursos em defesa da democracia e da unidade do país, parlamentares e historiadores participaram nesta quinta-feira (2) do lançamento do tema de 2021 da série comemorativa da Câmara dos Deputados relativa ao bicentenário da independência do Brasil, que será celebrado em 7 de setembro de 2022.

 O tema deste ano é a eleição dos deputados brasileiros às Cortes de Lisboa, que ocorreu em 1821 e representou as primeiras eleições gerais em território brasileiro. Esse fato histórico está sendo lembrado por meio dos lançamentos de um selo dos Correios e de um livro, além de uma exposição.

 Várias autoridades acompanharam a cerimônia virtual e presencialmente. Ao destacar a importância do resgate histórico para a compreensão da realidade brasileira, o ex-presidente da Câmara, Aldo Rebelo, criticou o atual contexto de “tensionamento” político em torno do próximo dia da independência.

 “O 7 de setembro deveria ser um momento de confraternização de todos os brasileiros, independentemente de suas posições políticas e ideológicas. Mas nós saímos às ruas para o conflito. Então, algum tipo de desorientação grave assola a nossa pátria. E essa Câmara dos Deputados, berço da democracia no Brasil, tem a tarefa de gestos e atos de sentido educativo: celebrar o passado tem a ver com o presente e principalmente com o futuro”, disse Aldo Rebelo.

 Ele também criticou recentes ataques a monumentos e imagens de líderes do passado, tanto do esquerdista Carlos Marighela quanto do navegador português Pedro Álvares Cabral ou do bandeirante Borba Gato. Segundo ele, não se deve destruir a história só por estar em conflito com crenças do presente.

 Na mesma linha, a deputada Soraya Santos (PL-RJ) lembrou o histórico “poder de articulação” de lideranças nacionais do passado para a garantia de um “Brasil independente, harmônico e promissor”. O deputado Gustavo Fruet (PDT-PR) ressaltou o sentido coletivo dos símbolos nacionais.

 “Nesse momento de tensionamentos, crises, radicalizações, extremismos e negacionismos, mais do que nunca, é necessário reafirmarmos os valores que marcaram a história do Brasil e registrar que símbolos, como a bandeira e a data de 7 de setembro, não pertencem a um governo. São símbolos que pertencem à nação brasileira e ao seu povo”, afirmou Gustavo Fruet.

 Fonte: Agência Câmara de Notícias

Últimas notícias

Foi um ‘tiro no pé’. Ao barrar os vereadores, líderes da ADAS colhem tempestade de críticas não apenas por desabonar autoridades públicas, mas também devido à suposta fome de lucros e por descaracterizar a verdadeira essência de um dos eventos mais tradicionais de Salete (SC).
Eder ‘pediu a cabeça’ de Rozi em sessão da Câmara de Vereadores de Taió (SC). Pivô da discórdia é médico credenciado que já faturou quase R$ 1,4 milhão no município. Veja!
As trocas durante a janela partidária deverão alterar a composição das bancadas na Câmara dos Deputados.