- A informação que gera opinião!

Deputados denunciam interferência na Polícia Civil e suposta corrupção no IMA

Uma suposta corrupção no IMA também foi denunciada na sessão de terça-feira (5).

Por Redação

6 de outubro de 2021

às 13:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Integrantes do PL e PSB denunciaram a interferência do Executivo na Polícia Civil (PC) e uma suposta corrupção no Instituto do Meio Ambiente (IMA) na sessão de terça-feira (5) da Assembleia Legislativa.

 “A Polícia Civil está em polvorosa com a notícia que o governo queria alterar delegados para suspender investigações dentro do governo”, discursou Ivan Naatz (PL), explicando em seguida que a investigação envolve a compra de softwares “vendidos por pessoas amigas do governador, coronéis da reserva que se organizaram para vender sem licitação”.

 O líder do PL foi além e denunciou indícios de corrupção no IMA.

 “Dentro do IMA opera uma facção criminosa que vende licenças ambientais, com um ramo dentro da Câmara de Vereadores de Florianópolis, gente de partido bastante influente em Santa Catarina”, disparou Naatz.

 Laércio Schuster (PSB) também criticou a interferência na Polícia Civil.

 “Uma tentativa de abafar investigações da Deic sobre crimes de corrupção no governo do estado”, alertou Schuster, que elogiou o novo comandante da Polícia Civil, Marcos Ghizoni. “Um dos melhores quadros da polícia no Brasil, tenho certeza de que vai trabalhar para garantir a autonomia e a independência”.

 Maurício Eskudlark (PL) minimizou a crise na PC.

 “O delegado Akira Sato foi indicado para assumir a delegacia-geral, aceitou, veio aqui, fez as visitas institucionais, estava motivado, mas daí comunicou que não continuaria na chefia. Procurei me informar, em lugar nenhum ele disse que sofreu qualquer tipo de pressão, ele jamais informou isso, estava com problema de saúde e pediu para sair”, justificou Eskudlark.

 O ex-chefe da Polícia Civil, assim como Schuster, elogiou a escolha de Ghizoni e defendeu que o chefe da PC seja escolhido entre os delegados em final de carreira.

 “Ghizoni é um excelente delegado, trabalhava aqui, estava à disposição da Casa até poucos dias”, informou Eskudlark.

 Paulinha (sem partido) concordou com o colega.

 “Chegou a hora de parar de colocar chifre em cabeça de cavalo. Esta questão da Polícia Civil não há nada que não possa ser contado. Não houve um fio de comentário de que teria sido coagido, o objetivo é atacar o governo”, garantiu Paulinha.

 Fonte: ALESC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
As críticas foram expostas na sessão de quarta-feira (13) da Assembleia Legislativa.
Caroline de Toni comandará os trabalhos do colegiado.