- A informação que gera opinião!

ESCÂNDALO: Usando carro oficial para fim particular, prefeito e dois vereadores são flagrados em blitz com bafômetro

Cesar Panini recusou assoprar o bafômetro e teve CNH retida pela PM. Eleitos para fiscalizar o executivo, Adriano Sehnem e Alcione Luchtenberg aceitaram carona fora da lei. Os três foram com veículo da prefeitura – uma ‘nave’ de luxo de quase R$ 100 mil - à reunião de pré-candidato a deputado estadual pelo PSD. Conduta configura ato ilegal.

Por Redação

11 de outubro de 2021

às 10:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O prefeito de Witmarsum (SC), Cesar Panini (PSD), foi pego em uma blitz de trânsito da PM enquanto usava o carro oficial do município para um encontro político particular, recusou sujeitar-se ao teste do bafômetro, foi notificado e acabou tendo a carteira de motorista retida pela polícia. O veículo de luxo – uma ‘nave’ Hyundai Creta, recém-comprada com dinheiro público por R$ 98 mil reais -, transportava ainda dois vereadores da Câmara Municipal: Adriano Sehnem e Alcione Luchtenberg, ambos também do PSD.

 A abordagem dos três políticos, que usavam indevidamente a SUV da prefeitura, ocorreu no sábado, dia 2 de outubro, por volta da meia-noite e meia.

 Procurado pelo portal Alto Vale Agora, o comando da Polícia Militar de Ibirama não forneceu detalhes sobre o caso. Não se sabe ainda se Cesar Panini chegou a ser preso, pagou fiança e foi liberado. Porém, a recusa do prefeito ao teste do bafômetro sugere que ele dirigia após ingerir bebida alcoólica.

 Além do escândalo provocado pelo prefeito, a postura dos vereadores também choca. Afinal, eles foram eleitos para fiscalizar as ações do executivo. No entanto, juntaram-se ao gestor municipal para infringir as leis.

 Caíram na blitz

Auto comprova infração com carro oficial. (Fonte: Detran/SC)

 O veículo oficial com os três ocupantes foi parado pela polícia na esquina da Rua Indaial com a Rua São João Batista, em Ibirama (SC).

 Segundo sugere o auto de infração (P06BC00022), o próprio prefeito Cesar Panini é quem dirigia.

 A identificação do condutor consta como “CES***”. O documento também aponta que o carro (Placas: “RLE0G16/SC”) está em nome da Prefeitura de Witmarsum (“M**** D* W****”).

 Troca de motorista

 Nossa reportagem conseguiu apurar que, após a PM abordar o carro oficial e reter a CNH do prefeito, um dos vereadores teria assumido a direção do veículo.

 A informação foi repassada ao portal Alto Vale Agora por uma fonte que mora no município de Witmarsum.

 Se confirmado, o fato agrava a situação. Por lei, somente motoristas habilitados em concurso público podem conduzir veículos oficiais.

 Infração “gravíssima”, multa e suspensão do direito de dirigir

“Gravíssima”: infração rendeu 7 pontos, revela consulta ao sistema de pontuação. (Fonte: Detran/SC)

 O sistema de pontuação do Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Santa Catarina (Detran/SC) confirma o auto e a data da ocorrência.

 O registro mostra ainda que a infração rendeu 7 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH), ou seja, a autuação foi de natureza “gravíssima”, a maior que existe.

 O campo “nome do condutor” traz as iniciais “C**” e “P***”, as mesmas do nome e sobrenome de Cesar Panini. O processo aparece em “grau de recurso”.

 Ainda de acordo com o auto da PM, a base legal que sustenta a autuação do prefeito é o artigo “165 A” do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

 De acordo com o dispositivo, recusar-se a procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa caracteriza infração gravíssima.

 A penalidade é multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 meses.

 A medida administrativa prevê o recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo.

 Postagem prova ida a encontro particular com carro oficial

 O deslocamento do prefeito Cesar Panini, acompanhado dos vereadores Adriano Sehnem e Alcione Luchtenberg, totalizou cerca de 110 km com a SUV da prefeitura.

 Os três viajaram entre Witmarsum e Rio do Sul. Na Capital do Alto Vale, participaram de uma reunião do grupo político deles, o Partido Social Democrático (PSD). O encontro ocorreu na noite de sexta-feira, 1º de outubro, e foi amplamente documentado com registros fotográficos.

 No dia seguinte à blitz, Luchtenberg postou em uma rede social: “Ontem foi dia de um bom bate papo com nosso pré-candidato a deputado estadual Dr. Paulo Cunha e nosso deputado Milton Hobus… Novidades por vir”. Ele finalizou a mensagem acrescentando um emoji sorridente e com bochechas vermelhas. Seria vergonha? Do quê?

 A postagem foi compartilhada por Adriano Sehnem na mesma hora, como se pode concluir ao observar o registro de contagem de tempo automático da rede social.

 Fotos também comprovam participação em reunião política particular

Encontro político particular reuniu outras lideranças, como o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes (PSD). (Foto: redes sociais)

 Uma das fotos mostra os políticos, lado a lado e animados no momento do clique, antes de serem pegos na blitz de trânsito. 

 Diversas outras imagens documentam a reunião política do PSD que reuniu dezenas de pessoas.

 Houve aglomeração. Poucos convidados respeitaram o decreto de uso de máscara no local.

 E agora, colegas vereadores de Witmarsum?

 O escândalo levanta perguntas que demandam respostas contundentes da Câmara de Vereadores de Witmarsum.

 Afinal, para que fato semelhante não se repita, quais medidas exemplares os outros 7 parlamentares municipais vão tomar?

 O legislativo irá compactuar com as irregularidades cometidas pelo prefeito Cesar Panini – que usou o carro oficial para fins particulares, deu carona no veículo da prefeitura e supostamente dirigiu embrigado?

 O que acontecerá com os vereadores Adriano Sehnem e Alcione Luchtenberg – que simplesmente aceitaram a carona, embarcaram na ‘nave’ da prefeitura e também mancharam a reputação do legislativo?

 Haverá providências diante do passeio fora da lei para participação no encontro promovido pelo partido político dos três, o PSD?

Câmara de Vereadores de Witmarsum. (Foto: Internet)

 Mistério…

 No caso do escândalo do uso do carro oficial da prefeitura de Witmarsum para fins particulares, surge uma nova dúvida: após ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) retida, estaria, agora, o prefeito Cesar Panini destacando um motorista para continuar a dirigir o SUV de luxo?

 É que o veículo já está circulando outra vez pelas ruas do município de Witmarsum, conforme informaram moradores ao nosso portal.

 Condenado por improbidade administrativa

 Em um caso semelhante, em 2017, um ex-prefeito teve os direitos políticos suspensos por usar carro oficial em evento particular em Tangará, no meio-oeste de Santa Catarina.

 O juiz Flávio Luís Dell’Antônio, titular da comarca, condenou o réu por improbidade administrativa e enriquecimento ilícito, suspensão dos direitos políticos por três anos, ressarcimento integral do dano causado ao erário e multa correspondente a três vezes o salário do agente na época dos fatos.

 Segundo consta nos autos, o réu teria utilizado o carro oficial para compromissos particulares, relativos a seu partido político. No entanto, a caminho do evento, sofreu acidente e teve perda total do veículo.

 O ex-prefeito ainda foi condenado ao pagamento das despesas processuais e multa por litigância de má-fé, cobrada na fase de cumprimento de sentença. 

 Alto Vale Agora descobriu compra da ‘Nave’

 No mês passado, o portal Alto Vale Agora destacou a polêmica decisão do prefeito de Witmarsum de comprar um carro oficial zero Km que custou quase R$ 100 mil aos cofres públicos.

 Abaixo, você vê a reportagem que revela todo o luxo do veículo oficial de Cesar Panini.

 Fonte: Redação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Críticos consideram mecanismo autoritário, atentado à vacinação não obrigatória e risco à disseminação do vírus, além de criar ‘cidadãos de segunda classe’. No entanto, maioria dos prefeitos ouvidos na região defende ideia, apesar de ainda não haver planos para decretar medida. Outra parte dos gestores alerta que ação fere direitos, além de ameaçar liberdades. E, ao passaporte sanitário, eles dizem: “não”.
Reportamos uma anomalia em dados de um parecer jurídico publicado no Portal da Transparência. O documento avalizou contratação de serviços de geoprocessamento por quase R$ 1,6 milhão. Executivo não gostou, tentou explicar em nota oficial e acabou agravando sua situação.
Fora da lei, caminhoneiros estão fazendo a ‘festa’ diante da cara da polícia, denunciam motoristas. Já gambiarra de obrinha vexatória – após longo período de abandono da rodovia – é verdadeiro deboche aos honestos pagadores de impostos.