- A informação que gera opinião!

Especialistas criticam política ambiental e vinculam mudanças no clima ao crescente risco de pandemias

A audiência virtual foi presidida pelo senador Styvenson Valentim (D).

Por Redação

12 de julho de 2021

às 11:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 A política ambiental brasileira foi alvo de fortes críticas na audiência pública interativa realizada na sexta-feira (9) pela Comissão Temporária da Covid-19 (CTCOVID-19). Os especialistas, que chamaram a atenção para a crise no meio ambiente como fator de disseminação e agravamento de doenças infecciosas, avaliam que o aumento do desmatamento e a aprovação de normas lesivas ao meio ambiente prejudicará a posição do Brasil no cenário internacional e dificultará a recuperação econômica no período pós-pandemia. A audiência foi presidida pelo senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).

 Pesquisadora em saúde pública da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nelzair Vianna comentou que a História mostra que todas as pandemias têm uma relação demonstrável com a questão ambiental e em sua maior parte disseminaram-se como zoonoses (doenças infecciosas dos animais transmissíveis ao ser humano). Segundo ela, essa é uma das hipóteses para o surgimento e disseminação da covid, possivelmente vinculada à interferência humana nos ecossistemas que provoca a migração dos hospedeiros — uma situação agravada pelas grandes aglomerações e pela maior intensidade de deslocamento humano.

 — Existem ainda muitas lacunas na base social, muitas desigualdades, em que uma parte da população ainda não tem acesso ao básico, aos recursos naturais mínimos de água, de saneamento, de moradia. Enfim, várias questões sociais ainda precisam ser equilibradas neste contexto de desigualdades que acaba sendo um campo fértil para a proliferação de doenças.

 Para Nelzair, que citou os riscos ambientais resultantes do agravamento do aquecimento global, o conceito de desenvolvimento sustentável também tem que levar em conta o risco de pandemias, e é preciso “sair das caixas” da mera questão de saúde para pensar a recuperação do ambiente no cenário pós-covid.

 — O investimento na prevenção da pandemia traria benefícios líquidos para o mundo. E reconhecemos que, à medida em que o mundo emerge da pandemia da covid-19, prioridades podem mudar para lidar com o aumento da demanda, do desemprego, das doenças crônicas e dos graves prejuízos financeiros que a gente observa em função da pandemia.

 Presidente da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), Francisco Milanez salientou o vínculo entre o enfrentamento de doenças e o grau de imunidade da população, que só funcionará bem pela confluência de fatores como água e ar de qualidade, boa alimentação e um “ambiente equilibrado esteticamente” para a qualidade da mente.

 — Além de estarmos consumindo alimentos de péssima qualidade, nós estamos vivendo em cidades tristes, desconectadas, que deprimem as pessoas. Há uma verdadeira epidemia de uso de antidepressivos, e isso mantém o sistema imunológico numa péssima situação — lamentou.

 Nelzair também acusou a produção rural brasileira de copiar um modelo de produção geneticamente modificada que, pelo uso intensivo de agrotóxicos, destrói o conteúdo de bactérias do solo e aumenta a contaminação dos rios. Ele avaliou que, se o Brasil tivesse optado por ser exportador de soja orgânica, poderia diminuir os custos de produção e obter um aumento de 30% de receita. No entanto, em sua opinião, o Brasil pode ser pioneiro numa “virada maravilhosa em direção à felicidade” por meio do investimento na criatividade científica.

 — A gente para de eliminar as maiores riquezas que nós temos na nossa biodiversidade, na nossa segurança hídrica, na nossa riqueza hídrica, a maior do mundo, e nós passamos a ter empregos muito melhores — concluiu.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, falou à comissão temporária da covid-19, atendendo a requerimento apresentado pela senadora Kátia Abreu (PP-TO)
O presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural é o deputado José Milton Scheffer (PP).
O presidente do Senado salientou a importância de não se abandonar os preceitos de responsabilidade fiscal.