- A informação que gera opinião!

Especialistas defendem 25% constitucionais na educação e plano de carreira

A reunião foi realizada com com representantes do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e com o doutor pelo Instituto de Economia da Unicamp, o economista da Alesc, Juliano Giassi Goularti.

Por Redação

30 de junho de 2021

às 11:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O governo estadual tem condições de aplicar os 25% de investimentos obrigatórios dos recursos constitucionais na Educação e implantar um plano de cargos e salários do magistério estadual que garanta a valorização dos professores. Esse foi a síntese da segunda reunião semipresencial da Comissão Mista que vai debater e construir um anteprojeto de lei que altere o plano de cargos e salários do magistério estadual, a ser enviado ao Executivo ainda este ano, realizada nesta terça-feira (29), na Assembleia Legislativa, com representantes do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e com o doutor pelo Instituto de Economia da Unicamp, o economista da Alesc, Juliano Giassi Goularti.

 A presidente da Comissão Mista, deputada Luciane Carminatti (PT), avaliou a reunião como muito importante, pois trouxe elementos para compreender o quanto os incentivos fiscais impactam no não investimento na educação. “Esse é um ponto central para discutirmos investimentos em educação, nós precisamos discutir incentivos fiscais.” Ela destacou ainda que foram elementos novos para esse ano, ou seja, os inativos (professores aposentados) não poderão mais contar a partir deste ano na folha da educação, ou seja, nos 25% de investimentos obrigatórios no setor. “Com isso abre mais de R$ 200 milhões para investimentos na carreira do magistério e também com a arrecadação crescente de impostos, por isso nós precisamos aproveitar o momento para valorizar os profissionais da educação.”

 A deputada reforçou que o foco da comissão mista é a apresentação de plano de carreira que incentive o professor a permanecer no magistério e estudando. “Essa é a grande questão, porque se ele fizer faculdade, mestrado, doutorado, se esse profissional permanecer na rede pública estadual, ele será compensado economicamente. O estado tem plenas condições de fazer isso hoje, por isso acredito que a presença dos palestrantes trouxe elementos fundamentais que irão dar condições de montar um plano de carreira justo e descente para o magistério.”

 Ela também salientou também que o anúncio do aumento salarial feito pelo governo estadual não pode mudar o objetivo da comissão. “O foco da comissão é o plano de carreira. Os aumentos salariais, se eles não tiverem percentuais constitucionais, se perdem no tempo. Quando o governador Carlos Moiséis anunciou que nenhum professor vai ganhar menos que R$ 5 mil com graduação 40 horas, parabéns, mas como fica isso daqui dois anos, três anos, cinco anos? E como fica aquela que já está em final de carreira ganhando isso? Ele não vai ganhar nada? É justo com quem estudou? Com quem ficou 20 anos no magistério? Então, a gente tem feito esse diálogo com o governo apontando esses caminhos. Nós não desprezamos esse anúncio, achamos que é importante, mas o nosso foco é o piso na carreira, isso que garante o futuro do profissional da educação.”

 O vice-presidente da comissão mista, deputado Sargento Lima (PL), afirmou estar preocupado com o fato do magistério não trabalhar com a progressão de carreira. “Não entendo como o governo trabalha com o magistério com um plano de carreira que não trabalha com a progressão da carreira. No setor de segurança existe. Eles, os profissionais da educação, precisam de um plano de cargos e salários para que não dependam do governo de plantão.”

 Fonte: ALESC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, falou à comissão temporária da covid-19, atendendo a requerimento apresentado pela senadora Kátia Abreu (PP-TO)
O presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural é o deputado José Milton Scheffer (PP).
O presidente do Senado salientou a importância de não se abandonar os preceitos de responsabilidade fiscal.