- A informação que gera opinião!

Pacheco afirma que o instituto do impeachment não pode ser banalizado

Pacheco também disse que não antevê critérios que justifiquem o andamento do processo.

Por Redação

23 de agosto de 2021

às 13:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse em entrevista à imprensa na noite de sexta-feira (20) que o instituto do impeachment não pode ser mal utilizado e que ele não antevê critérios que justifiquem o andamento do processo. A afirmação foi uma resposta ao pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), apresentado pelo presidente da República Jair Bolsonaro.   

 — O instituto do impeachment não pode ser banalizado, ele não pode ser mal usado, até porque ele representa algo muito grave, acaba sendo uma ruptura, algo de exceção. Mais do que um movimento político, há um critério jurídico, há uma lei de 1950 que disciplina o impeachment no Brasil, que tem um rol muito taxativo de situações em que pode haver impeachment de ministro do Supremo.

 Pacheco reiterou que, além de ser política, essa avaliação também é jurídica e técnica. Ele também defendeu o respeito à democracia e ao diálogo para a criação de “um ambiente melhor” para resolver os problemas do país.

 — Nós não vamos nos render a nenhum tipo de investida para desunir o Brasil. Nós vamos convergir, buscar convergir o país. Contem comigo para essa união, e não para essa divisão. E vou cumprir meu papel de presidente do Senado, dar conta de resolver esses problemas, tudo que couber a mim em relação a esse pedido de impeachment; qualquer atribuição que caiba à Presidência do Senado, eu vou tomar essa decisão com a firmeza que se exige do presidente do Senado e com absoluto respeito à democracia.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Deputados e representantes dos servidores plantaram as mudas em frente ao Palácio Barriga Verde.
Mudança está contida em medida provisória editada pelo governo em agosto.
A programação foi uma iniciativa do deputado Dr. Vicente Caropreso (PSDB).