- A informação que gera opinião!

Prorrogação de prazo para quitação de tributos na pandemia depende de lei

A afirmação foi d a juíza Cleni Serly Rauen Vieira

Por Redação

21 de julho de 2021

às 10:40

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Não compete ao Judiciário substituir o legislador e conceder moratória para beneficiar empresa individualmente. Com esse entendimento, a 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital negou a segurança postulada por uma empresa do ramo de vestuários que buscava a prorrogação do prazo para cumprimento de obrigações tributárias e de parcelamentos do ICMS, a fim de preservar sua atividade em meio às dificuldades econômicas impostas pela pandemia da Covid-19.

 Em mandado de segurança impetrado contra a gerência regional da Secretaria de Estado da Fazenda, a empresa manifestou que a manutenção dos prazos de pagamento de tributos, durante o estado de calamidade pública causado pelo novo coronavírus, configura mácula aos princípios da capacidade contributiva, da função social e preservação da empresa, da livre iniciativa e da razoabilidade.

 Ao julgar o caso, a juíza Cleni Serly Rauen Vieira anotou que somente a lei pode autorizar o diferimento do prazo para pagamento de tributo. Assim, como matéria reservada à prévia existência de lei, a concessão pela via judicial afrontaria a separação dos poderes ou, ainda, violaria o princípio da isonomia.

 “Nesse contexto, não há dúvida que o mandado de segurança tem por escopo principal a correção de ato comissivo ou omissivo de autoridade pública, marcado pela ilegalidade ou abuso de poder. Mas, em princípio e regra geral, não comete abuso de poder ou ilegalidade a autoridade pública que age rigorosamente dentro do previsto no texto da Lei”, escreveu a magistrada. Cabe recurso ao Tribunal de Justiça.

 Fonte: TJSC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Canais poderão ser compartilhados com assembleias legislativas e câmaras de vereadores.
Valor inclui multas aplicadas em ação por ato de improbidade administrativa em virtude de fraude em dispensas de licitação.
Ela foi condenada pelo crime de homicídio qualificado, ocorrido em cidade do Vale do Itajaí.