- A informação que gera opinião!

Recusa de vacina contra a Covid-19 pode implicar restrições em Rio do Sul

Quem se inscrever para a vacinação e recusar imunizante de um ou outro fabricante vai para o final da fila.

Por Redação

16 de julho de 2021

às 10:20

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Já está em vigor em Rio do Sul o decreto 10.056 que dispõe sobre algumas regras para a vacinação contra a Covid-19 na cidade. A partir desta semana, todo cidadão que se negar a ser imunizado em razão da marca do imunizante, será automaticamente colocado no final da fila para receber sua dose.

 Tem sido recorrente o questionamento das pessoas ao irem até os locais de vacinação e pedirem qual é a fabricante e, mesmo para aquelas pessoas com agendamento, desistem pois preferem um ou outro tipo de vacina. Chamou a atenção nos últimos Drive-Thrus que pessoas inscritas e com dose reservada, esperaram toda a fila de atendimento e se negaram a receber a aplicação justamente quando a aplicação seria realizada.

 O decreto foi uma sugestão do prefeito José Thomé junto com a equipe da Secretaria de Saúde no sentido de propor uma organização da fila de vacinas e que não sejam cometidos fatos como este. A Secretaria de Saúde de Rio do Sul reforça que todas as vacinas em uso no país são seguras e aprovadas pela Anvisa. Os índices gerais de novas infecções, internação e óbitos caíram em nível municipal, regional, estadual e nacional naqueles grupos de pessoas já imunizadas, independente da fabricante, o que demonstra eficácia. E os efeitos adversos de todas as vacinas não costumam ser graves.

 O comparecimento ao local de vacinação e a desistência ou recusa em receber a dose da vacina em razão da marca do imunizante será anotada em documento oficial pela equipe de saúde, colhendo-se a assinatura. Será informado sobre sua condição de remanescente e a perda do direito à ordem cronológica de vacinação, com a sua realocação na fila de imunização somente após concluída a vacinação de todo o público-alvo, ou seja, após a vacinação dos maiores de 18 anos, sem comorbidades. Se o munícipe se recusar a assinar o termo, o mesmo será assinado por duas testemunhas.

 A Secretaria de Saúde de Rio do Sul aplica todas as vacinas de acordo com o encaminhamento realizado pelo Estado, no âmbito do Plano Nacional de Imunização. Não há qualquer tipo de direcionamento de vacinas para o público-alvo vigente que seja diferente do que é estabelecido pelo Estado.

 De acordo com o prefeito José Thomé, o momento da pandemia ainda é delicado e merece bastante atenção e cuidado de toda a comunidade. E a vacinação precisa ser rápida, sem espera de um ou outro imunizante.

 “Vacinação não é um produto do supermercado ou buffet de almoço, onde você escolhe o que quer. Trata-se de um assunto muito sério, onde vidas estão em jogo, e é inadmissível que tenhamos pessoas que escolham doses para receber e atrase a campanha de imunização em geral. O direito coletivo sempre se sobrepõe ao direito individual. E este momento é de imunizar toda a população o mais rápido possível”, salienta.

 Fonte: Clóvis Eduardo Cuco – Departamento de Comunicação, Prefeitura de Rio do Sul

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Iniciou nesta terça-feira, 27, o curso gratuito de Costureiro Industrial do Vestuário, em Dona Emma.
O programa Sinal Vermelho prevê que a letra X escrita na mão da mulher, preferencialmente na cor vermelha, funcione como um sinal de denúncia de situação de violência em curso
Texto do acordo está em análise na Câmara dos Deputados.