- A informação que gera opinião!

Senadores debatem realização do Carnaval 2022 na próxima quinta-feira

A iniciativa foi do senador Nelsinho Trad (PSD-MS), em requerimento subscrito por vários senadores.

Por Redação

3 de dezembro de 2021

às 13:00

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

 Carnaval 22 – O Brasil está preparado? Esse é o tema da sessão temática remota a ser realizada no Plenário virtual do Senado, na próxima quinta-feira (9), com início às 10h.

 O objetivo da sessão é discutir a viabilidade da realização do Carnaval de 2022 no Brasil, com ênfase nas medidas de controle planejadas e nas possíveis consequências da realização do evento, visto que as cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Recife já anunciaram a disposição de retomar as comemorações no ano que vem.

 A iniciativa é do senador Nelsinho Trad (PSD-MS), em requerimento (RQS 2293/2021) subscrito pelos senadores Carlos Fávaro (PSD-MT), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT-PA) e Esperidião Amin (PP-SC) e pelas senadoras Mailza Gomes (PP-AC), Zenaide Maia (Pros-RN) e Daniella Ribeiro (PP-PB).

 “Diante da atual situação da pandemia, a pergunta central é: o Brasil está preparado para abertura das festas de carnaval? As cidades e estados brasileiros reúnem condições ótimas para realizar as festas de carnaval com segurança? Quais medidas estão sendo planejadas pelo nível central, estados e municípios nas políticas de controle sanitário, incluindo a saúde do viajante? “, questiona Nelsinho Trad na justificativa do requerimento.

 O senador lembra que a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um comunicado em 4 de novembro apontando que o ritmo atual de transmissão do coronavírus na Europa é muito preocupante e pode causar mais meio milhão de mortes no continente até fevereiro. Ele também ressalta que alguns cientistas entendem ser ainda cedo para que o Brasil confirme êxito contra a covid-19.

 “Além disso, mutações genéticas do vírus podem continuar provocando mudanças de cenários epidemiológicos mundo afora. O Brasil é um exemplo de que mudanças inesperadas podem acontecer, como no caso do surgimento da variante gama em meados de novembro de 2020, quando tudo parecia caminhar para o controle da pandemia. Em abril deste ano, a média de mortes no país chegou a ficar acima de 3 mil por dia”, recorda.

 Devem participar do debate o médico sanitarista, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP-SP e da Fundação Getúlio Vargas (SP), Gonzalo Vecina Neto, além de representantes do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da FioCruz, do Consórcio Nordeste, da Sociedade Brasileira de Infectologia, da Secretaria Extraordinária de Combate ao Covid-19, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Saúde de Salvador, do Comitê Científico Assessoramento ao Enfrentamento da Pandemia da Covid-19, do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e da Frente Nacional de Prefeitos (FNP). Os nomes dos convidados ainda estão pendentes de confirmação.

 Fonte: Agência Senado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Últimas notícias

Em dose dupla e sem perda de tempo, índice de recomposição inflacionária foi aprovado já na primeira sessão do ano da Câmara de Vereadores de Taió (SC).
Pela primeira vez na história, em meio à atual ‘pandemia’, especialistas, autoridades de saúde e políticos parecem agir em conluio para ignorar a poderosa proteção inata que ajudou a trazer a humanidade viva até o século 21. Afinal, por que eles escondem a existência da imunidade natural? A Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), por exemplo, foge das perguntas do portal Alto Vale Agora sobre o assunto. Mesmo que as autoridades corram do tema, nossa equipe revelará o mistério por trás dessa trama. Leia e confira!
Campanha lançada pela Justiça Eleitoral quer estimular adolescentes a tirarem o título de eleitor.